PUBLICIDADE
Notícias

Bolsa tem a maior alta em 3 anos

06:50 | 22/11/2014
A expectativa com a equipe econômica do segundo mandato de Dilma Rousseff impulsionou a Bolsa de Valores. Ontem (21), o Ibovespa - principal termômetro do mercado acionário - subiu 5,02%, para 56.084 pontos. Foi a maior valorização registrada desde 9 de agosto de 2011. O dólar também foi influenciado e fechou em queda de 2,26%. A moeda americana foi cotada a R$ 2,514.

A alta expressiva do mercado de ações teve como pano de fundo a possível nomeação de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda. Levy foi secretário do Tesouro no primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva e é um nome bem recebido pelo mercado financeiro. Atualmente, é diretor-superintendente da Bradesco Asset Management. Levy se tornou o plano B de Dilma, depois das informações publicadas pela imprensa de que o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, teria rejeitado o posto de ministro.

"O mercado estava precificando o Trabuco e agora está precificando o Levy", afirmou um experiente economista-chefe e sócio de uma gestora de recursos. "O Levy é um técnico acima de qualquer suspeita, PhD em Chicago (universidade de pendor ortodoxo e liberal em Economia), e foi um bom secretário do Tesouro, que cumpriu as metas fiscais (contas públicas)."

Além do Ministério da Fazenda, Dilma teria sinalizado outras mudanças na equipe econômica. Nelson Barbosa, ex-secretário executivo da Fazenda, poderá assumir o Ministério do Planejamento. Carlos Hamilton, diretor de Política Econômica do Banco Central, deve deixar a instituição para ocupar a Secretaria do Tesouro no lugar de Arno Augustin. Alexandre Tombini deverá permanecer na presidência do BC.

O anúncio da nova equipe econômica era esperado para ontem (21), mas foi adiado, segundo fontes do Planalto. Não há detalhes sobre o motivo de Dilma deixar a divulgação para depois.

A alta na Bolsa foi generalizada, mas atingiu sobretudo os papéis das empresas estatais. As ações preferenciais da Petrobrás encerraram em alta de 11,89%. Os papéis ordinários do Banco do Brasil e da Eletrobrás avançaram 8,32% e 7,03%, respectivamente.

Exterior

As informações econômicas da China também ajudaram a impulsionar o Ibovespa. De forma surpreendente, o governo chinês anunciou um corte na taxa de juros - o primeiro desde julho de 2012. Com a notícia, os preços das empresas vendedoras de commodities foram estimulados, com destaque para Vale e mineradoras europeias.

O mercado acionário internacional ainda foi impulsionado pela declaração do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. Ele afirmou que a instituição está preparada para expandir o programa de estímulos econômicos. A Bolsa de Londres fechou em alta de 1,08%, a de Frankfurt avançou 2,62% e a de Paris subiu 2,67%. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

TAGS