PUBLICIDADE
Notícias

Fortaleza tem a 5ª cesta básica mais barata do País

As maiores quedas no preço da cesta básica foram registradas em Recife (-1,99%) e São Paulo (-1,39%). Fortaleza teve redução de 0,47%.

08:00 | 07/10/2014
Em setembro, os preços do conjunto de bens alimentícios essenciais diminuíram em 11 das 18 capitais onde o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) realiza mensalmente a Pesquisa da Cesta Básica de Alimentos. Entre as capitais pesquisadas, Fortaleza apresenta a quinta cesta básica mais barata, com uma redução de 0,47% no preço em relação ao mês anterior.

As maiores quedas foram registradas em Recife (-1,99%), São Paulo (-1,39%), Natal (-1,18%), Campo Grande (-1,13%) e Salvador (-1,02%). As altas foram apuradas em Goiânia (1,36%), Aracaju (1,15%), Brasília (1,10%), Porto Alegre (0,62%), Manaus (0,26%) e Florianópolis (0,04%).

A deflação no valor da cesta básica cearense foi influenciada pela queda dos preços do tomate (-10,00%), da farinha (-3,74%) e da banana (-3,30%), comportamento semelhante ao apresentado em agosto.

Florianópolis foi a cidade onde se apurou o maior valor para a cesta básica (R$ 340,76). A segunda maior cesta foi observada em São Paulo (R$ 333,12), seguida por Vitória (R$ 328,33). Os menores valores médios da cesta foram verificados em Aracaju (R$ 233,18), Salvador (R$ 263,63) e Natal (R$ 267,39).

Com base no custo apurado para a cesta mais cara, a de Florianópolis, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Dieese estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário.

Em setembro deste ano, o salário mínimo necessário deveria ser de R$ 2.862,73, ou seja, 3,95 vezes o mínimo em vigor, de R$ 724,00. Em agosto, o mínimo necessário era de R$ 2.861,55, as mesmas 3,95 vezes o piso vigente. Em setembro de 2013, era menor e correspondia a R$ 2.621,70, ou 3,87 vezes o mínimo da época (R$ 678,00).
Redação O POVO Online

TAGS