PUBLICIDADE
Notícias

Credit Suisse prevê superávit comercial de US$ 4 bilhões

18:20 | 18/08/2014
O déficit em transações correntes deverá ficar estável em 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, conforme projeção do banco Credit Suisse, apresentada nesta segunda-feira, 18, pelo vice-presidente da instituição no Brasil, Leonardo Fonseca, durante o workshop Planejamento Automotivo 2015, em São Paulo.

Na previsão do banco, o superávit comercial brasileiro passará para US$ 4 bilhões, ante US$ 3 bilhões no ano anterior. Segundo Fonseca, um fator negativo nas contas externas deverá ser o investimento brasileiro no exterior, que tende a "continuar forte".

Para este ano, a previsão do banco é de que esse investimento fique em US$ 62 bilhões. Já para 2015, a projeção é de US$ 50 bilhões. Em compensação, a projeção do Credit Suisse para o investimento estrangeiro direto no Brasil é de US$ 60 bilhões, tanto em 2014 quanto no próximo ano. De acordo com Fonseca, o investimento estrangeiro deve continuar com "forte alta" em renda fixa. O banco afirma que todos esses resultados devem fazer com que a balança de pagamentos feche 2014 com saldo negativo de US$ 15 bilhões.

Inflação

Fonseca defendeu também a redefinição do centro da meta da inflação oficial, atualmente em 4,5%, a partir de 2015, "como forma de coordenar o processo de redução das expectativas dos agentes públicos". Na avaliação do Credit Suisse, essa meta é muito alta na comparação com outros países. Ele criticou também o fato de o Brasil ser, entre os países que seguem o regime de metas, o único onde os membros do Comitê de Política Monetária não têm mandato fixo. Segundo ele, essa alternância seria importante para combater a inflação.

Fonseca defendeu que o centro da meta deveria ser de 6,5% em 2015, a partir de quando seria gradativamente diminuído para 5,5% em 2016, 5% em 2017, voltando para os atuais 4,5% em 2018. Durante palestra sobre as perspectivas macroeconômicas do Credit Suisse, ele afirmou que o banco projeta que a taxa básica de juros (Selic) deve ser mantida em 11% até o final deste ano, mas que deverá ser elevada para 12% no próximo ano. Ele afirmou também que a instituição financeira projeta que a expansão do crédito bancário diminuirá de 15%, no ano passado, para 12% em 2014.

O vice-presidente do Credit Suisse avaliou ainda que o declínio dos juros bancários foi quase totalmente revertido neste ano. Ele destacou também que a inadimplência está relativamente estável em 2014, tanto para pessoa física quanto para empresas, e que, na avaliação do banco, grande parte do endividamento das famílias se deve ao crédito habitacional. Apesar disso, a instituição prevê que o crédito imobiliário deverá superar 10% do PIB em 2015.

Superávit primário

O governo federal não deverá cumprir a meta de superávit primário em 2014, avaliou Fonseca. Segundo ele, dados mensais indicam o não cumprimento dessa meta.

Para o próximo ano, o analista lembrou que o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO), elaborado pelo próprio governo, reduziu a incerteza sobre a política fiscal, ao diminuir o intervalo para possíveis valores de superávit primário para entre 2% e 2,5%, ante 3,2% e 0,9% neste ano.

Fonseca disse também que o banco espera um déficit nominal em torno de 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. De acordo com ele, o País deverá ter um "ligeiro" aumento da dívida pública bruta nos próximos anos. Isso se dá, explica, em razão do "cenário macro", que dificulta o recuo da dívida líquida até 2015.

No evento, o vice-presidente do Credit Suisse afirmou ainda que o banco projeta que a política de aportes do governo ao Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) "provavelmente" continuará. De acordo com ele, esses aportes deverão ficar em aproximadamente R$ 30 bilhões por ano. O Credit Suisse prevê também que grande parte desses recursos deverá ser destinada para investimentos na área de infraestrutura.

Mundo

A economia norte-americana deverá crescer 2% neste ano e 3% em 2015, conforme projeção do Credit Suisse. De acordo com Fonseca, a instituição projeta que a inflação permanecerá baixa naquele país: 2,1% neste ano e 2,4% no próximo. Ele divulgou também que o banco prevê uma diminuição na taxa de desemprego nos Estados Unidos para 6,2%, em 2014, e para 5,6%, em 2015.

O Credit Suisse trabalha com a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial de 2,7% neste ano e de 3,3% no ano seguinte. No caso da China, o banco prevê que a economia daquele país deverá crescer neste ano 7,3%, maior crescimento entre os Brics (Brasil, Rússia, Índia e China), seguido pela Índia (6%) e pelo Brasil (0,6%). Já a Rússia será o único entre os emergentes a apresentar crescimento negativo da economia neste ano, no caso, de -0,4%, conforme previsão da instituição financeira.

Fonseca informou também que o banco prevê perspectiva de recuo do preço das principais commodities em 2015. No caso do petróleo, a projeção do Credit Suisse é de que o barril passe a custar, em média, US$ 103, em 2015, e US$ 95, em 2016. Já para a tonelada de minério de ferro, a previsão é de que o preço passe a custar US$ 100, no próximo ano, e US$ 87, em 2016. A tonelada de cobre, por sua vez, deverá custar US$ 6,625, em 2015, e US$ 7,150, no ano seguinte.

TAGS