PUBLICIDADE
Notícias

Bolsas asiáticas fecham em alta após inflação da China

08:00 | 11/08/2014
As bolsas da China reagiram bem aos dados de inflação ao consumidor no país, de 2,3% em julho em comparação com o mesmo mês de 2013, e as ações das construtoras deram sustentação aos fortes ganhos nos mercados acionários nesta segunda-feira após o governo da província de Fujian reduzir restrições para a compra de imóveis.

O índice Xangai Composto subiu 1,38%, a 2.224,65 pontos, e o Hang Seng, das ações mais negociadas em Hong Kong, teve ganho de 1,25%, a 3.370,32 pontos. As altas generalizadas também atingiram o Shenzhen Composto, que teve o maior avanço das bolsas chinesas, de 1,44%, a 1.191,36 pontos.

Outras bolsas da região também tiveram bom desempenho, apesar de menos expressivo. O Taiex, de Taiwan, valorizou 0,96%, para 9.172,91 pontos, o sul-coreano Kospi avançou 0,41%, a 2.039,37 pontos, e o Straits Times, de Cingapura, subiu 0,53%, a 3.306,45 pontos.

Já o índice Filipino PSEi fechou próximo ao maior patamar do ano, com alta de 1,11%, a 6.956,66 pontos. A forte especulação em torno da indústria de luvas plásticas devido ao agravamento do surto de ebola na África, que pode gerar um salto de demanda pelo produto, deu sustentação ao resultado.

"Nós mantemos a visão de que o impacto da doença na demanda de luvas é mínima por enquanto", afirmaram os analistas do CIMB, no entanto.

Na Malásia, as ações da Malaysia Airlines saltaram 8,3% após a sessão de sexta-feira, em que as negociações dos papéis foram paralisadas. Os investidores responderam bem à oferta do fundo estatal Khazanah Nasional de fechar o capital da companhia aérea. O índice KLCI, de Kuala Lumpur, fechou em alta de 0,51%, a 1.849,32 pontos.

Em Sydney, a sessão seguiu o movimento das bolsas asiáticas e interrompeu a sequência de seis dias de perdas consecutivas. Os fundos de equity puxaram a alta do índice australiano S&P/ASX 200, que avançou 0,40%, a 5.457,00 pontos, após ter registrado seu pior desempenho desde março na semana passada. Com informações da Dow Jones Newswires.

TAGS