PUBLICIDADE
Notícias

Produção industrial do Ceará é a maior do Nordeste em maio

No acumulado dos últimos 12 meses, o crescimento industrial do Ceará é o segundo maior do Brasil. Os dados são do IBGE

08:26 | 11/07/2014

O crescimento industrial do Ceará, no mês de maio, foi o maior entre os estados da Região Nordeste, com 1,2%. Nos últimos 12 meses, o acumulado no Ceará chega a 7%, sendo o segundo maior do Brasil - atrás apenas do Pará com 8,8%. Os dados foram divulgados na quinta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por outro lado, conforme o IBGE, os dados de sete estados apontam redução no ritmo da produção industrial, com destaque para Amazonas (-9,7%), Bahia (-6,8%) e Região Nordeste (-4,5%).

Ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral da indústria mostrou variação negativa de 0,5% no trimestre encerrado em maio, frente à média do mês anterior, e intensificou a queda registrada em abril último (-0,3%). Em termos regionais, ainda em relação ao movimento deste índice na margem, oito locais apontaram taxas negativas: Amazonas (-3,4%), Rio Grande do Sul (-2,7%), Rio de Janeiro (-2,2%), Bahia (-1,8%) e Região Nordeste (-1,6%).

Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial nacional recuou 3,2% em maio de 2014 e oito dos quinze locais pesquisados apontaram queda na produção. Os recuos mais intensos de maio ocorreram no Rio de Janeiro (-7,9%), Rio Grande do Sul (-7,8%), Bahia (-6,6%) e Amazonas (-5,8%).

No acumulado em 2014 houve recuos em seis dos quinze locais e todos os seis recuaram mais do que a média da indústria (-1,6%): São Paulo (-4,7%), Rio de Janeiro (-4,3%), Espírito Santo (-3,3%), Bahia (-2,8%), Rio Grande do Sul (-2,5%) e Paraná (-1,7%).

O acumulado nos últimos doze meses avançou 0,2% em maio e mostrou clara redução no ritmo de crescimento frente aos resultados de março (2,0%) e abril (0,7%). Como mostra a tabela a seguir, onze dos quinze locais pesquisados apontaram taxas positivas em maio, mas nove assinalaram menor dinamismo frente a abril. As principais perdas entre abril e maio ocorreram no Rio Grande do Sul (de 5,1% para 3,9%), Bahia (de 2,9% para 1,7%), Amazonas (de 7,2% para 6,1%) e São Paulo (de 0,2% para -0,7%), enquanto Pará (de 4,2% para 8,8%) mostrou o maior avanço no período e o Ceará obteve a segunda colocação.

Redação O POVO Online

TAGS