PUBLICIDADE
Notícias

FGV: alimentos in natura puxam preços ao produtor

09:20 | 28/03/2014
A variação de preços dos alimentos in natura teve contribuição importante na aceleração do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que passou de 0,27% para 2,20% de fevereiro para março, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O segmento saiu de taxa de variação de 0,60% para 17,48% no mesmo período e puxou o índice relativo aos Bens Finais, que foi de 0,28% para 2,23%. Excluídos alimentos in natura e combustíveis, a taxa de variação de bens finais é de 0,59%, ante 0,20% em fevereiro.

Os demais índices que compõem o IPA também aceleraram: bens intermediários subiram de 0,85% para 1,28% e matérias-primas brutas deixaram o terreno negativo (-0,43%) e registraram alta de 3,25%.

O índice de matérias-primas brutas, o estágio inicial da produção, também foi puxado por alimentos. De fevereiro para março foram registradas acelerações importantes na soja em grãos (-6,38% para 4,06%), café em grão (8,54% para 34,47%) e milho em grão (2,48% para 10,95%). Foram registradas desacelerações em minério de ferro (0,73% para -1,93%), suínos (-1,33% para -9,32%) e arroz (em casca) (1,32% para -3,86%).

No caso dos bens intermediários, o destaque vem do subgrupo materiais e componentes para a manufatura (de 0,69% para 1,70%). Excluindo o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, o índice de bens intermediários subiu 1,38% ante 0,38% em fevereiro.

Com o avanço de março, o IPA acumula 2,79% de alta no ano e 7,69% em 12 meses. Os preços ao produtor registraram a maior variação no âmbito do IGP-M. De fevereiro para março, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) saiu de 0,70% para 0,82% e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu de 0,22% para 0,44%.

Influências

Entre as maiores influências positivas no IPA de março estão: café em grão (de 8,54% para 34,47%), ovos (de 1,33% para 25,37%), soja em grão (de -6,38% para 4,06%), milho em grão (de 2,48% para 10,95%) e bovinos (de 1,41% para 3,85%).

Já a lista de maiores pressões negativas é composta por minério de ferro (de 0,73% para -1,93%), suínos (de -1,33% para -9,32%), cerveja e chope (de 0,16% para -2,94%), arroz (em casca) (de 1,32% para -3,86% e mamão (de 0,97% para -8,81%).

TAGS