PUBLICIDADE
Notícias

BC ressalta efeito negativo do clima atípico sobre grãos

10:20 | 27/03/2014
Diante do comportamento atípico das condições climáticas no começo deste ano em diversas regiões do País, com volume de chuvas inferior ao padrão histórico e temperaturas em patamares elevadas, o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) divulgado nesta quinta-feira, 27, pelo Banco Central trouxe um box com um estudo a respeito dos impactos recentes do clima adverso sobre a economia brasileira.

Para o BC, as condições climáticas atípicas em janeiro e fevereiro têm impactado negativamente a produção nacional de grãos - como café, milho e soja - e, consequentemente, elevado os preços desses produtos. O documento, no entanto, pondera que o aumento desses preços no atacado tende a ter repercussão modesta na inflação devido ao baixo peso desses grãos na cesta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

De acordo com o documento, os efeitos da estiagem na pecuária tem impactado a oferta de leite e de carne bovina. Para o BC, porém, a mudança dos preços no setor deve ter uma duração menor, pois as pastagens tendem a se recuperar tão logo acabe a seca. Já a oferta de grãos depende de uma nova safra de um grande produtor - de outro país, por exemplo - para se recuperar.

Por outro lado, destacou o BC, as altas temperaturas no primeiro bimestre de 2014 teriam acelerado o ciclo de maturação das lavouras de alguns alimentos in natura, beneficiando a oferta desses produtos. No caso de tubérculos, raízes e legumes houve um recuo atípico nos preços em janeiro. "Note-se ainda que os aumentos de preços desses produtos em fevereiro foram inferiores à média dos últimos sete anos", completou o box.

O Banco Central também analisou os efeitos da estiagem no setor elétrico, citando a redução dos níveis dos reservatórios das hidrelétricas que levou ao acionamento de mais usinas térmicas que produzem energia mais cara. "O acionamento das termoelétricas elevou substancialmente o custo marginal do megawatt-hora, bem como o preço da energia negociada no mercado à vista", avaliou o documento.

TAGS