PUBLICIDADE
Curiosidades
inédito para a ciência

Estudante descobre o primeiro berçário de raias-manta do mundo no Golfo do México

Após passar os últimos sete anos estudando raias e encontrar centenas de adultos em estado selvagem, o estudante de pós-graduação encontrou um viveiro com espécimes juvenis. O fato é inédito

14:38 | 28/06/2018
Stewart observou os animais em uma das 15 áreas de proteção ambiental do Escritório Nacional de Santuários Marinhos (Foto: G.P. Schmahl / FGBNMS)
O estudante de pós-graduação em Oceanografia da Universidade da Califórnia, Joshua Stewart, fez uma descoberta inédita para a ciência. Acompanhado de colegas do Escritório de Santuários Nacionais Marinhos da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) descobriu o primeiro viveiro de raias manta do mundo. Localizado na costa marítima do Texas, no Golfo do México, o estudo sobre o berçário é o primeiro artigo científico sobre o caso.
 
 
As raias-manta oceânicas são gigantes, podendo atingir até 7 metros de envergadura. Esses peixes se alimentam de plâncton e vivem em águas abertas de oceanos subtropicais e tropicais em todo o mundo, inclusive no Brasil, onde aparecem na lista do Ibama como ameaçadas pela caça e capturas que são proibidas por lei.
 
(Foto: G.P. Schmahl / FGBNMS)
 
Stewart observou os animais em uma das 15 áreas de proteção ambiental do Escritório Nacional de Santuários Marinhos. O estudante de pós-graduação destaca a importância de áreas como essas para realizar "conservação e manejo". "Identificar esta área nos dá oportunidade de aprendermos sobre eles. Essa descoberta é um grande avanço em nossa compreensão das espécies e da importância de diferentes habitats", afirma.

A pesquisa, publicada na revista científica Phys.org, se torna importante pelo fato de que as populações de raias em maior número são em sua maioria encontradas longe da costa, o que dificulta o estudo da espécie. Stewart passou os últimos sete anos estudando raias e encontrou centenas de adultos em estado selvagem, mas de deparar com um viveiro com espécimes juvenis é fato inédito.


Redação O POVO Online