PUBLICIDADE
Notícias

Conheça 15 descobertas científicas sobre a cerveja

Para além dos malefícios ou benefícios para o consumidor, a bebida já foi objeto de interesse em diversos estudos

17:34 | 10/09/2014
NULL
NULL

Não é só nos lugares mais informais que a cerveja atrai apreciadores. Muitos cientistas também já voltaram a atenção para a bebida, adotando-a como objeto principal de seus estudos.   

As pesquisas desenvolvidas abordam desde os componentes encontrados na cerveja até a possibilidade de fabricação no espaço.

Confira a lista com 15 descobertas feitas pela ciência sobre a bebida que reina como uma das mais populares no mundo:

1 - Câncer
De acordo com descoberta de cientistas da universidade do Porto, a utilização da cerveja sobre uma carne que deverá ser assada reduz os níveis de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos. Os hidrocarbonetos presentes nesses alimentos estão relacionados ao desenvolvimento de câncer.

2 - Barriguinha
Nutricionistas da universidade de Gotemburgo afirmam que não, a cerveja não dá barriga. Após o monitoramento do peso de cerca de 20 mil pessoas, os cientistas constataram que a cerveja aumenta a gordura corporal total e não a região da cintura obrigatoriamente.

3 - Moderação
A clássica frase de alerta "beba com moderação" não é exagero, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Medição da OMS recomenda que mulheres não bebam mais que uma lata de cerveja por dia e que homens não ultrapassem duas. O excesso já representaria um risco para o corpo humano.

4 - Espaço
Já conseguiram produzir cerveja no espaço. Astronautas da Estação Espacial Internacional fizeram testes, combinando água e álcool. A combinação, além de matar bactérias, pode ser uma alternativa de hidratação para futuras colônias espaciais.

5 - Gripe
A partir da descoberta feita por cientistas da Universidade Médica de Sapporo, o lúpulo, um dos ingredientes da cerveja, contém humulona, que protege o organismo da ação de um dos causadores da gripe, o vírus sincicial. Porém, para proteção efetiva da gripe seria necessário o consumo de pelo menos 30 latas de cerveja. A gripe vai embora, mas novos problemas ficam.  

6 - Plástico
As pesquisadoras Gerd Liebezeit e Elisabeth Liebezeit analisaram 24 amostras de diferentes marcas de cerveja alemãs. Na descoberta surpreendente foi constatada a presença de vestígios de plástico em todas as amostras.   

7 - Genoma
Descoberta apontou que beber cerveja pode mexer com o DNA. Cientistas da universidade de Tel Aviv realizaram testes com material genético de uma levedura similar com o de humanos. Eles verificaram que a exposição a soluções com concentração de etanol entre 5% e 7% é capaz de alongar os telômeros - estruturas localizadas nas extremidades dos cromossomos.  

8 - Raciocínio
A cerveja deixa o raciocínio mais rápido e preciso. Cientistas da universidade de Illinois constataram isto, após um experimento com 40 homens. Dividos em dois grupos, um que tomaria duas tulipas de cerveja e outro que não tomaria, aqueles que consumiram cerveja obtiveram 40% a mais de sucesso num jogo de rapidez de raciocínio.

9 - Eles
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os homens bebem mais cerveja do que as mulheres no Brasil. Inclusive, o órgão aponta que 5% dos homens bebem cerveja todos os dias e geralmente - em 60% dos casos - fora de casa.

10 - Elas
Hepatologistas do Hospital Metodista de Houston afirma que as mulheres são mais prejudicadas em caso de consumo excessivo da bebida. Danos causados ao fígado, por exemplo, são duas vezes maiores em mulheres do que em homens. Geralmente com estatura menor e, consequentemente, com menos água armazenada no corpo, as mulheres sofrem com efeitos potencializados da bebida.

11 - Satisfação
Neurologistas da universidade de Indiana fizeram um experimento com cerca de 50 homens. Os participantes poderiam escolher entre tomar uma cerveja favorita ou outra bebida isotônica. Ficou comprovado que a liberação da dopamina, hormônio ligado à satisfação, era maior quando as pessoas bebiam a cerveja.

12 - Coração
Um copo de cerveja aqui e outro acolá pode ser uma boa pedida para o coração. Cientistas da Universidade de Boston afirmam que o consumo diário de 43 gramas da bebida pode reduzir em 42% as chances de desenvolvimento de problemas cardiovasculares.

13 - Hidratação
Pesquisadores da universidade de Granada afirmam que beber cerveja moderadamente após exercícios físicos pode ser tão eficaz para hidratação quanto beber água. Não foi constatado na pesquisa nenhum efeito negativo do consumo moderado em situações como esta.

14 - Dinheiro
A economista Valéria Ikeda, da Universidade de São Paulo, verificou em sua dissertação de mestrado que o poder aquisitivo interfere na escolha de bebida dos paulistanos. Se na classe média a preferência é pelo chope, na classe alta a preferência é pela cerveja e o uísque. Na faixa mais pobre a cerveja também é preferida junto com a cachaça.

15 - Banho
Segundo a cervejaria Starkenberger, localizada na Áustria, um banho de cerveja tem propriedades curativas, como a cicatrização de feridas e a melhor circulação sanguínea. A cervejaria, inclusive, oferece um mergulho com duração de duas horas, com valor aproximado de R$ 700. A Starkenberger conta com sete piscinas aquecidas preenchidas, cada uma, com a mistura de 12 mil litros de água e 300 litros de cerveja.

Redação O POVO Online

TAGS