PUBLICIDADE
Checagem O POVO
Noticia

Reportagem da Globo que indica não usar máscaras é de março de 2020; recomendação mudou

Postagem na rede social Facebook em que o autor compartilha um trecho de uma reportagem de uma TV local da Rede Globo sobre o uso de máscaras na pandemia da covid-19, onde se fala que o uso só é necessário para profissionais de saúde.

19:06 | 11/01/2021
Post engana ao divulgar como atual uma reportagem que foi levada ao ar no início da pandemia de covid-19, quando as recomendações da OMS era diferentes (Foto: Reprodução)
Post engana ao divulgar como atual uma reportagem que foi levada ao ar no início da pandemia de covid-19, quando as recomendações da OMS era diferentes (Foto: Reprodução)

É enganosa a publicação no Facebook que utiliza uma reportagem antiga de um jornal regional da Globo para insinuar que máscaras só devem ser usadas por pessoas doentes e profissionais de saúde. A informação de fato foi veiculada, mas em março do ano passado, quando esta era a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Novos estudos, no entanto, fizeram com que a OMS ampliasse os critérios para o uso de máscaras.

O vídeo foi compartilhado no perfil de Adriano Reis, candidato a vereador de Ribeirão Preto (SP) em 2020 pelo Partido Social Liberal (PSL), com a legenda “Meu Deusssss A globo falando a verdade sobre as máscaras. 2020 ta estranho mesmo (sic)”. No entanto, ao contrário do que a legenda insinua, a recomendação não é atual, mas do começo da pandemia.

A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) ampliou as recomendações para o uso das máscaras para o público em geral, sendo as de tecido indicadas para as pessoas com idade inferior a 60 anos, deixando as máscaras cirúrgicas disponíveis para o grupo de risco e profissionais de saúde.

O Comprova buscou conversar com o repórter Wellington Hanna, que aparece no vídeo, para confirmar o período em que a reportagem foi ao ar. O autor da publicação também foi procurado.

Como verificamos?

Primeiramente, observamos os elementos no vídeo que poderiam nos ajudar a identificar onde a reportagem havia sido feita. Primeiro, ao fundo da imagem, aparece o Congresso Nacional. No canto inferior esquerdo, a sigla DF, ao lado da logomarca do jornal. Foram os primeiros indícios de que a reportagem havia sido transmitida de Brasília, para o Distrito Federal.

Na sequência do vídeo, aparece na imagem o nome do repórter, Wellington Hanna, e o local onde ele gravou a passagem, a Asa Norte, um bairro de Brasília.

Logo depois, se inicia a entrevista com a médica infectologista Eliana Bicudo. Não há elementos na tela que remetam a uma localização, mas uma busca no Google pelo nome da médica leva a pelo menos três sites que apontam que ela trabalha na capital federal: o site oficial do Clidip – Hospital-Dia, Infectologia e Vacinas, onde ela faz parte do corpo clínico; o site do Hospital Home, também em Brasília, onde ela também trabalha; além do site Doctoralia, que lista a médica como infectologista em Brasília.

O próximo passo foi procurar pela Globo Brasília, a fim de confirmar se a reportagem de fato havia sido feita por eles e veiculada lá, além do repórter Wellington Hanna. Conversamos com o repórter Gabriel Palma, da Globo Brasília, que disse ter quase certeza de que a matéria tinha ido ao ar no início da pandemia e que, depois de viralizar, o DFTV deu uma explicação aos telespectadores, afirmando que o material tinha ido ao ar no mês de março.

Gabriel, então, nos colocou em contato com Wellington Hanna para que ele próprio desse mais detalhes sobre o ocorrido. Hanna nos enviou um link do material publicado pelo Fato ou Fake, do G1, mostrando que a reportagem tinha ido ao ar em 18 de março e, já em outubro, vinha viralizando como se tivesse informações atualizadas.

Entramos em contato, por e-mail, com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e, por fim, buscamos informações sobre o dono do perfil que compartilhou o vídeo e entramos em contato com ele, mas não recebemos resposta até a publicação desta verificação.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 11 de janeiro de 2021.

Verificação

Reportagem foi feita em março de 2020
A reportagem compartilhada no perfil do Facebook é real. Ela foi veiculada no jornal Bom Dia DF, da TV Globo em Brasília, mas não agora e sim há dez meses. Quando foi ao ar, em março do ano passado, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendava o uso de máscaras somente para pessoas doentes e para profissionais de saúde, o que mudou nos meses seguintes.

Ao Comprova, o repórter Wellington Hanna, responsável pela reportagem, nos enviou, através do WhatsApp, um material publicado pelo Fato ou Fake, do G1, no dia 14 de outubro do ano passado, explicando que a reportagem tinha ido ao ar em 18 de março e, diferente do que diziam postagens que viralizaram ainda em outubro passado, não representava uma recomendação atual sobre o uso de máscaras durante a pandemia.

A infectologista Eliana Bicudo, ouvida pela reportagem em março passado, também passou a ser questionada por pacientes depois que o vídeo viralizou, meses depois de ter ido ao ar. À Globo Brasília, ela disse que a situação hoje é muito diferente daquela conhecida em março do ano passado, quando se entendia que só pessoas com sintomas respiratórios ou febre transmitiam a covid-19.

“Já em abril, com a detecção de que o paciente assintomático pode transmitir o vírus e a doença também pode evoluir de maneira leve ou até assintomática, isso mudou completamente o discurso e foi máscara para todos”, explicou ela ao Fato ou Fake.

OMS atualizou recomendações com base em novos estudos

Quando a reportagem foi ao ar, em 18 de março de 2020, a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) era de que as máscaras fossem usadas apenas por pessoas doentes, responsáveis por cuidar delas e por profissionais de saúde. Na época, o órgão chegou a recomendar que as pessoas parassem de comprar máscaras cirúrgicas. A grande demanda pelas máscaras, assim como a escassez delas, provavelmente prejudicariam o combate ao coronavírus, informou a OMS, na época.

Em 6 de abril de 2020, a OMS fez uma nova recomendação em relação ao uso de máscaras: eles mantiveram a recomendação apenas para doentes e profissionais de saúde, mas admitiram que o uso de máscara por pacientes sintomáticos e pré-sintomáticos ajudava a limitar a transmissão do vírus. Tanto o Ministério da Saúde quanto o Centro de Controle de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, já tinham recomendado o uso irrestrito de máscaras caseiras, diante de estudo publicado na Nature Medicine em abril de 2020, que afirmava que o uso de máscaras freava a transmissão pelo SARS-CoV-2.

No dia 5 de junho deste ano, a OMS divulgou novamente outras recomendações para o uso de máscaras. Desta vez, além dos doentes e profissionais de saúde, o uso foi ampliado para pessoas em grupos de risco e para a população em geral em áreas onde já havia transmissão comunitária da doença – ou seja, quando não era mais possível dizer qual a origem da contaminação, o que indicava que o vírus já circulava por uma região. Na mesma ocasião, a OMS indicou os tipos de tecido recomendados para a produção de máscaras caseiras.

Atualmente, a OMS recomenda o uso de máscaras como medida fundamental para suprimir a transmissão do vírus: “Devem ser usadas como parte de uma abordagem abrangente de ‘Faça tudo’, incluindo manter distanciamento físico de um metro ou mais de outras pessoas, evitar locais com aglomeração e contato próximo, garantir boa ventilação, limpar frequentemente as mãos e cobrir o espirro e a tosse com o cotovelo dobrado”, diz um trecho da recomendação no site oficial da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), braço da OMS para as Américas.

As recomendações mais atuais são do dia 1º de dezembro de 2020. A OMS trata a orientação como provisória, já que é uma atualização das recomendações do dia 5 de junho de 2020 com base em novas evidências científicas sobre o uso de máscaras.

A Agência Lupa e o Fato ou Fake também verificaram este conteúdo.

O autor da publicação

Adriano de Pádua dos Reis foi candidato a vereador em Ribeirão Preto (SP) pelo Partido Social Liberal (PSL), mas não foi eleito. Ele também foi candidato ao mesmo posto na eleição de 2016 pelo Partido Republicano da Ordem Social (PROS), onde chegou a ser eleito suplente. Em seu perfil na rede social Facebook, Adriano se diz empresário e “um cidadão de direita, conservador nos costumes e liberais na economia”.

O Comprova tentou contato com o autor, mas não obteve resposta até o momento da publicação deste artigo.

Por que investigamos?

Em sua terceira fase, o Comprova investiga conteúdos duvidosos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia do novo coronavírus. A postagem publicada no Facebook por Adriano de Pádua dos Reis, dia 24 de dezembro de 2020, teve mais de 5,2 mil comentários e 14 mil curtidas. Em janeiro de 2021, o Comprova verificou o vídeo publicado, pois o conteúdo enganoso, com 136 mil compartilhamentos, já havia viralizado na rede social. Veiculado no jornal Bom Dia DF, da TV Globo em Brasília, a reportagem não recomenda a não utilização de máscaras.

Enganoso, para o Comprova, é conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

 

Esta apuração foi feita pelo Correio da Bahia, Coletivo Negro Niara, Amazônia Real e Poder 360. A checagem foi feita posteriormente pelo O POVO, Estadão, Alma Preta, NSC e Rádio Noroeste.