PUBLICIDADE
Notícias

Suspeito de participar de assassinato de PMs é morto durante tiroteio

José Adailson da Silva foi atingido após atirar contra policiais, relata comandante do Cotar. Com ele, foram apreendidos armas e roupas de camuflagem. Um homem ainda foi preso

09:55 | 05/07/2016
NULL
NULL

Um homem morreu e outros dois foram presoa durante abordagem policial ocorrida na localidade de Entre Rios, na divisa entre Choró e Canindé, no Sertão Central do Estado. O episódio ocorreu por volta das 16 horas de segunda-feira, 4. A abordagem foi realizada após denúncia informando a localização de suspeitos de participarem no confronto que vitimou três policiais militares (PMs) em Quixadá, na quinta-feira, 30.

De acordo com o major Alexandre Rodrigues, do Comando Tático Rural (Cotar), os policiais foram recebidos à bala no momento em que realizariam a abordagem. Os policiais revidaram e atingiram José Adailson da Silva, conhecido como "U", de 27 anos, relata o major. Mesmo sendo socorrido ao hospital Dr. Eudásio Barroso, em Quixadá, ele não resistiu aos ferimentos. Com ele, os policiais encontraram dois revólveres.

Antônio José de Freitas Guedes, 46 anos, estava com José Adailson no carro e foi detido. Na casa dele, foram apreendidos uma espingarda calibre 36 e munição para esta arma, uma calça camuflada, uma gôndola camuflada, uma balaclava, um par de luvas e um pote de pólvora. José Dimas Pinheiro Candeia, 34, também foi preso.

De acordo com as investigações, a dupla presa dava apoio ao bando do qual "U" era partícipe. Eles confessaram, em depoimento à Polícia, que guardavam armas a pedido do infrator morto.

 

Na sexta- 1º, três pessoas foram presas por envolvimento de forma indireta na ocorrência. Segundo o secretário-adjunto de Segurança Pública e Defesa Social, Lauro Prado, o trio não trocou tiros com os policiais, mas a prisão pode ajudar a elucidar o crime.

 

Leia também: Piloto de parapente filma tiroteio entre PM e quadrilha em Quixadá


Relembre o caso
O sargento Francisco Guanabara Filho, 50, o cabo Antônio Joel de Oliveira Pinto, 33, e o soldado Antônio Lopes Miranda Filho foram mortos por homens que seriam assaltantes de carros-fortes. Eles averiguavam uma denúncia de roubo de um carro modelo Ônix quando se depararam, em uma estrada carroçável, com os homens armados com fuzis em uma caminhonete Hilux de cor prata. Houve troca de tiros, que ainda atingiu o sargento João Alves Campos — duas vezes na perna e, de raspão, no braço. Ele foi encaminhado ao Instituto Dr. José Frota (IJF) e já recebeu alta.

 

Após o confronto, os criminosos fugiram em direção a Ibaretama, cidade vizinha a Quixadá. Eles se juntaram a homens em um veículo Ônix, que desobedeceu ordem de parada de policiais acionados para reforço. Estes abandonaram o carro e fugiram através de um matagal. Pararalelamente, os homens na Hilux renderam os policiaias acionados no reforço e fugiram na viatura policial, mantendo dois PMs como reféns — abandonados mais adiante.

 

Saiba mais: Violência contra agentes de segurança não é "orquestrada", diz secretário 

 

Na fuga, os criminosos ainda fecharam a rodovia, usando a viatura tomada de assalto, a Hilux que usavam e um caminhão também fruto de roubo. Em seguida, o grupo roubou um carro modelo Fiat Strada, vermelho, e fugiu por uma estrada carroçável em direção ao distrito de Caio Prado, zona rural de Itapiúna (a 55 quilômetros de Quixadá).

 

 

Redação O POVO Online
TAGS