PUBLICIDADE
Ceará
Neste sábado

Homem é morto em Pacajus durante carreata do candidato Fernando Haddad

Charlione Lessa Albuquerque tinha 23 anos e morreu no hospital de Pacajus

20:00 | 27/10/2018

FOTO: Reprodução
Homem foi baleado e morreu durante a carreata do candidato a presidente Fernando Haddad (PT), na noite deste sábado, 27, no centro de Pacajus. A Polícia faz buscas na tentativa de encontrar o responsável. Nas redes sociais, o candidato do PT a presidente se manifestou.

Conforme uma moradora, a movimentação era grande muitas pessoas presenciaram o momento do crime. Familiares da vítima que participavam da carreata relataram que o rapaz estava dentro de um automóvel e o criminoso saiu de um Gol Branco e efetuou vários disparos. 


A vítima foi encaminhada a um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos. Conforme familiares, Charlione Lessa Albuquerque, de 23 anos, trabalhava como servente de pedreiro em Fortaleza. Ele estava no automóvel com a mãe e participava da carreata quando foi baleado. Ainda não há informações sobre a motivação do crime. 

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que o homem em um veículo Gol de cor branca se aproximou, efetuou disparos e fugiu após o crime. Equipes da Polícia Militar do Ceará (PMCE) e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) estão em diligências para identificar e prender o criminoso. 

A Perícia Forense esteve no local da ocorrência realizando levantamentos. O caso também foi comunicado a Delegacia Metropolitana de Horizonte, plantonista responsável pela região.  

A população pode contribuir com as investigações repassando informações que possam ajudar na elucidação do caso. As denúncias podem ser feitas pelo número 181, o Disque Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), para o (85) 3257-4807, do DHPP, ou ainda para o número (85) 99111-7498, que é o WhatsApp do Departamento, por onde podem ser feitas denúncias via mensagem. O sigilo é garantido.

 

Redação O POVO Online