PUBLICIDADE
Ceará
Violência

Uma das vítimas da chacina de Maranguape foi morta com golpes de foice

Corpo de Bombeiros, perícia e policiais realizaram operação na Serra de Maranguape

15:08 | 08/01/2018

FOTO: Jéssika Sisnando
Uma operação de resgate das quatro vítimas de uma chacina mobilizou o Corpo de Bombeiros, Polícias Militar e Civil, Perícia Forense e os próprios moradores da serra localizada em Maranguape, Região Metropolitana de Fortaleza, na manhã desta segunda-feira, 8. As vítimas, todas do sexo masculino, foram mortas em um residência localizada em um dos pontos mais altos da serra, na Rua Frei Cirino.

A equipe de reportagem do O POVO Online subiu a serra e acompanhou o resgate que contou com o apoio do Corpo de Bombeiros. A residência onde as pessoas foram mortas é de difícil acesso e o carro do rabecão não conseguiu subir a serra. Os corpos foram levados em viaturas até a parte de baixo da serra para que fossem encaminhados à sede da Perícia Forense. Moradores, policiais e os profissionais que atuam na perícia forense permaneceram durante toda a manhã no local.

De acordo com o delegado da DHPP, Edmo Leite, uma das vítimas sofreu um atentado semana passada e foi para a residência da serra para se esconder. Integrantes de uma facção rival a que as vítimas pertenciam seriam os responsáveis pelo crime. Uma das vítimas teve esfacelamento do crânio, com uma foice, que foi recolhida para exame de DNA e impressão papilóscopica (processo de identificação das impressões digitais), os outros foram mortos a tiros.

"Preliminarmente as vítimas são envolvidas com tráfico de drogas, homicídios e roubos. São conhecidas no município de Maranguape, tem uma facção criminosa  e a área que nós estamos ela é conflituosa entre as facções, não foi uma área tomada por um determinado tipo de facção. Essa facção rival, ligada ao PCC e GDE, foi responsável pelo crime", disse. 

Conforme o delegado, havia droga na residência e anotações sugestivas da existência de tráfico de entorpecentes. A casa era marcada pelas siglas de uma facção criminosa. Os primeiros levantamentos são da Divisão de Homicídios, mas o caso vai ficar com a Delegacia de Maranguape. "Agora é instauração de inquérito, impressão papiloscópica e ouvir testemunhas", explica.

JéSSIKA SISNANDO