PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Por falta de apoio, grupo junino de Horizonte encerra quadrilha após 22 anos

Grupo Junino Cheiro da Terra já foi campeão em diversos festivais; entre eles o estadual e o Nordestão, organizados, respectivamente, pelo Governo do Ceará e pela Rede Globo

00:00 | 13/05/2019
Há 22 anos, quadrilha de Horizonte participa dos festejos em todo o Nordeste
Há 22 anos, quadrilha de Horizonte participa dos festejos em todo o Nordeste (Foto: Divulgação/ Thuanny Albuquerque Fotografia)

Depois de 22 anos de arrasta-pé, o Grupo Junino Cheiro da Terra encerra seus trabalhos após as festas juninas deste ano, por falta de recursos financeiros. Da cidade de Horizonte, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), a quadrilha escolheu a comunidade quilombola Alto Alegre, localizada na mesma região, como tema para a última temporada de apresentações.

“A situação é bastante complicada. Exige muito tempo extra. Nós abdicamos de muitas coisas para dar espaço ao tempo que a quadrilha exige. Nós temos outros projetos de vida. Aliado a isso, têm as dificuldades financeiras e a falta de apoio. Exige um recurso muito alto. Às vezes, a gente não consegue fazer esse montante todo para poder custear as despesas. Não só a Cheiro de Terra sente essa falta, mas o São João como um todo”, desabafa Erison Santos, 24, um dos coordenadores e marcador do grupo.

Foi difícil a decisão da quadrilha horizontina de encerrar o trabalho de mais de duas décadas, comenta Erison. Ele explica que a decisão foi tomada por conta dos percalços enfrentados pelo grupo. “Para além de ser o último ano, os ensaios coreógrafos, a preparação da estrutura e os ajustes no figurino têm sido intensos”, adianta o marcador; um dos 60 integrantes da quadrilha, entre brincantes, produção, banda e coordenação. “No fim é prazeroso, principalmente, quando a gente vê pronto”.

Entre brincantes, apoio, produtores, banda e coordenação, grupo é composto por 60 pessoas
Entre brincantes, apoio, produtores, banda e coordenação, grupo é composto por 60 pessoas (Foto: Divulgação /Edson Avlis Fotografia)

A forte influência africana na derradeira apresentação do grupo deve fundir-se com as heranças indígenas e europeias, já enraizadas nas comemorações juninas no Brasil. Isso porque o quilombo Alto Alegre foi fundado em meados de 1890 pelo Negro Cazuza. Da África, trouxeram o homem como escravo dentro de um navio negreiro. Segundo relatos, ele fugiu da embarcação, na Barra do Ceará, na Capital, e correu sem destino até a região onde hoje estão os municípios de Horizonte e Pacajus, na Região Metropolitana de Fortaleza.

Na ocasião, Negro Cazuza encontrou índios da tribo Paiacu. Depois dos laços afetivos, o fugitivo casou-se com uma das indias da comunidade. Assim surgiram as famílias Agostinho, Bento e Silva, atravessadas pela bagagem cultural, histórica e tradicional do continente africano. “A nossa matriz é afrodescendente. A gente tenta trazer um pouco do óbvio, também com as referências indígenas. Pincela o que tem de falar sobre a história, mas sempre traz para o contemporâneo. É uma junção”, pontua Erison, a partir das memórias da comunidade.

Neste ano, o grupo deve apresentar o espetáculo no festival Arraiá do Ceará (etapa do festival da Globo); Arraiá do Povo da cidade de Iguatu; Festival de Maracanaú; Etapa do Ceará Junino e Festival de Uruoca. Quando a primeira nota soar ou o primeiro grito vier à tona, anunciando a entrada dos brincantes, a história campeã do Grupo Junino Cheiro da Terra será carregada pelos seus brincantes. A quadrilha já ganhou o Festival Cearense de Quadrilhas Juninas; o Festival do Ceará Junino; Quadrilhas Juninas do Nordeste, ou Festival de Quadrilhas Juninas da Globo; Festival de Maracanaú e Campeão do festival da cidade de Uruoca.

Ceará Junino Esta segunda-feira, 13, é o último dia para submeter inscrições ao XXI Edital Ceará Junino 2019.

Conheça as categorias três categorias do Ceará Junino 2019

 

> A categoria Quadrilha Junina tem objetivo de fomentar a promoção e manutenção de manifestações artísticas típicas do período junino no Estado, para essa modalidade podem se inscrever somente Pessoas Físicas.

> A categoria Festival Regional de Quadrilhas Juninas, por sua vez, têm caráter voltado para o competitivo e reúne quadrilhas que devem se apresentar ao público em geral, em locais ou órgãos públicos de fácil acesso. Nesse caso, as inscrições podem ser feitas apenas por Pessoa Jurídica de Direito Privado da Administração Municipal.

> Por fim, a terceira categoria corresponde ao Campeonato Estadual Festejo Ceará Junino, que reúne até 21 quadrilhas vencedoras dos festivais regionais apoiados pelo edital.

Serviço

O que: Edital Ceará Junino 2019

Quando: até o dia 13 de maio

Inscrições: por meio do site http://editais.cultura.ce.gov.br/2019/03/26/xxi-edital-ceara-junino

Italo Cosme/ especial para O POVO