PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Após acidente, ciclistas questionam segurança viária em rodovias estaduais; veja como se prevenir

Estrutura da via é questionada por especialistas com aumento do aumento da demanda de transporte por meio da bicicleta

Leonardo Maia
13:23 | 17/08/2020
O acidente aconteceu na rodovia CE-040, no município de Eusébio, Região Metropolitana de Fortaleza. (Foto: Reprodução/Google Maps)
O acidente aconteceu na rodovia CE-040, no município de Eusébio, Região Metropolitana de Fortaleza. (Foto: Reprodução/Google Maps)

Atualizada no dia 19 de agosto, às 13h07min

Após acidente da última quinta-feira, 13, que vitimou uma ciclista na CE-040, no município de Eusébio, a segurança viária no local foi questionada por cicloativistas. Com histórico recente de acidentes com vítimas fatais, as rodovias estaduais podem apresentar riscos para os ciclistas em determinados trechos. No caso da última semana, Julita de Medeiros Costa, 37, trafegava com o esposo quando foi atingida por um automóvel. Ela era professora da rede municipal de Fortaleza e mãe de uma criança de cinco anos.

O engenheiro Felipe Alves, integrante da Associação de Ciclistas Urbanos de Fortaleza (Ciclovida), criticou a estrutura atual da via, inacessível tanto para pedestres como para aqueles que trafegam no local de bicicleta. Ele comparou a estrutura da rodovia com a avenida Bezerra de Menezes, que também corresponde a uma das saídas da Capital. Nesse caso, ainda que a avenida também seja muito larga, vias perpendiculares cruzam o local, permitindo implantação de semáforos e travessia mais segura de pedestres e ciclistas.

Ele ainda criticou a postura de condutores de automóveis, que desrespeitam a velocidade permitida das vias e causam ainda mais riscos para os ciclistas, considerados vulneráveis no trânsito. “Falta os órgãos públicos serem responsabilizados. Não pode tratar esses dados como acidentes ou fatalidades, muitas pessoas que estão no poder que não fazem nada para evitar maiores danos”, enfatizou.

Um maior estudo do comportamento da dinâmica do trânsito em rodovias também é sugerido pelo professor Flávio Cunto, do Departamento de Engenharia de Transportes da Universidade Federal do Ceará (UFC). Ele considera que o comportamento das pessoas pode mudar ao longo dos anos e um acompanhamento é necessário. “As autoridades precisam observar como os pedestres e ciclistas estão entrando na ciclovia, temos muito mais pessoas procurando usar esse tipo de mobilidade ativa. Acho que a gente pode rever, vamos entender melhor o uso da rodovia”, sugeriu.

Em texto publicado no site Prefiro ir de Bike, o ciclista Vinicius Reis relatou a insegurança para passar no local. "Falta estrutura, faltam acessos, falta sinalização, e isso tudo resulta na absoluta falta de segurança para quem precisa entrar e sair da ciclovia", considerou. Em vídeo, ele mostra a dificuldade para trafegar em outro trecho da rodovia, ainda dentro da Capital. Assista:

Considerando os acidentes em Fortaleza, 21 ciclistas morreram em acidentes de trânsito em 2019. O número é inferior à do ano anterior, quando 24 pessoas morreram quando estavam trafegando por bicicleta. No total, a Cidade apresenta queda no número de vítimas fatais no trânsito desde 2015. Com essa marca, a Cidade reduziu em 50,3% mortes no trânsito e alcançou meta da Organização das Nações Unidas (ONU).

O Departamento Estadual de Trânsito informou que de janeiro a julho de 2020 foram registrados 3 acidentes envolvendo ciclistas na rodovia estadual CE-040. Considerando toda a malha viária de rodovias estaduais, no mesmo período, foram registrados 14 acidentes envolvendo ciclistas com 5 vítimas fatais.

Como se prevenir de acidentes em rodovias

Para evitar acidentes, a primeira dica é planejamento. Felipe Alves ponderou que através de um bom planejamento antes de sair de casa é possível escolher caminhos que não tenham grande movimento e sejam mais seguros, ainda que seja necessário aumentar o tamanho da rota percorrida. Usar equipamentos de proteção, como capacete e roupas refletivas, também pode ajudar na visibilidade, de acordo com Cunto.

Em alguns momentos, no entanto, a travessia de uma rodovia movimentada torna-se inevitável nos deslocamentos diários. O professor Flávio Cunto, do Departamento de Engenharia de Transportes da Universidade Federal do Ceará (UFC), recomenda que o ciclista tenha visibilidade adequada dos carros que estão na via na hora de fazer a travessia, evitando cruzar rodovias em trecho de curva ou de rampa.

“Temos uma dificuldade natural de julgar a aproximação do carro. São três faixas de tráfego, é necessário mais tempo para fazer a travessia. A 60 km/h a chance de sobrevivência em caso de atropelamento é muito baixa, menos de 10%”, alerta o professor.

Leia íntegra da nota enviada pelo Detran/CE

O Departamento Estadual de Trânsito informa que de janeiro a julho de 2020 foram registrados 3 acidentes envolvendo ciclistas na rodovia estadual CE-040. Considerando toda a malha viária de rodovias estaduais, no mesmo período, foram registrados 14 acidentes envolvendo ciclistas com 5 vítimas fatais.

Ao longo dos anos, com o crescimento do uso da bicicleta como meio de locomoção entre a população, na medida em que as rodovias estaduais  foram sendo construídas ou duplicadas, foram também incluídas
ciclovias. Atualmente, o Ceará possui 235 km de ciclovias localizadas em rodovias estaduais. A CE-040, por exemplo, possui 32km. Já a Rodovia CE-010, recém-construída possui ciclovia em toda a sua extensão, totalizando 13km que ligam a ponte da Sabiaguaba até o Anel Viário.

Outra medida importante é a implantação de ciclofaixas de lazer, como a que acontece todos os domingos, das 06 às 11h, em Juazeiro do Norte. Neste dia, uma faixa da CE 060 (Avenida Leão Sampaio), numa extensão de 8km, ligando os municípios de Juazeiro do Norte à Barbalha fica destinada exclusivamente para o uso de ciclistas e pedestres.

O projeto criado pelo Governo do Estado, após experiência exitosa em Fortaleza, e executado pelo Detran-CE, em 5 anos de atividade, cresce ano a ano e já bateu a marca de mais de 150 mil ciclistas participando
ativamente do espaço, um circuito seguro dedicado ao lazer, saúde e a prática de atividades esportivas.