PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Acidente em Brejo Santo: trabalhador ferido já recebeu alta

O auxiliar de mecânica Valdir Fernando dos Santos, 57, ficou ferido e teve luxações nos ombros e foi liberado ainda na noite de ontem, 6.

Marília Freitas
10:54 | 09/02/2021

Recebeu alta na noite de ontem, 8, o único trabalhador sobrevivente do acidente na barragem de Brejo Santo, a 502 km de Fortaleza. O auxiliar de mecânica Valdir Fernando dos Santos, 57, ficou ferido e teve luxações nos ombros. Ainda ontem ele já apresentava quadro estável e foi liberado. Nessa segunda-feira, por volta das 16h30min, houve o rompimento de uma tubulação durante a realização de testes no sistema da barragem. Três pessoas morreram no acidente.

Na manhã de hoje, 9, o titular da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) do município, Lucas Feitosa, esteve no local do acidente para averiguar mais informações sobre o caso. Junto dele, também segue na barragem o secretário Nacional de Segurança Hídrica, Sérgio Costa, acompanhado pelo Consórcio Operador e equipe técnica do Ministério do Desenvolvimento Regional. No momento do acidente, 20 trabalhadores estavam no local. Segundo o Ministério, informações preliminares indicam que a estrutura da barragem não foi afetada e que não há vazamentos.

O deputado estadual e ex-prefeito de Brejo Santo, Guilherme Landim (PDT), chegou ao local junto com as equipes de seguranças e disse que o ocorrido foi uma “cena triste de se ver”. Ele afirmou que, apesar de aguardar a perícia, acredita que o que ocasionou o acidente foi uma falha técnica. O governador Camilo Santana (PT) também lamentou as mortes em suas redes sociais.

Em agosto de 2020, houve um rompimento na Barragem de Jati, reservatório que recebe as águas do Cinturão das Águas (CAC). O episódio não teve vítimas e cerca de duas mil pessoas foram evacuadas do município como medida preventiva. O acidente desta segunda-feira, 8, é o segundo desde a chegada da transposição ao Ceará.

Protesto em dezembro já reivindicava direitos de famílias afetadas por barragens no Ceará

 

Em dezembro de 2020, famílias organizadas do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realizaram uma manifestação no Município com o intuito de reivindicar políticas de segurança para pessoas atingidas pela construção de barragens para a transposição do Rio São Francisco no Ceará.

As famílias argumentam que no local da barragem Boi I existe um aluvião (profunda camada de sedimentos e areia) a cerca de 20 metros a mais de profundidade. Conforme as famílias, não foi feita drenagem no local e nenhum alicerce foi construído. Com 6% de sua capacidade total, parte dos poços artesianos já jorravam água para o leito do Rio e as famílias temem que, se a barragem chegar à meta de 70% de abastecimento, um rompimento possa acontecer.

A manifestação foi organizada pelo MAB em parceria com o Levante Popular da Juventude, O STTR de Brejo Santo e o Movimento dos Trabalhadores por Direito (MTD).