Participamos do

17 municípios cearenses devem pagamentos para médicos

O sindicato orienta que médicos que trabalham em órgãos públicos acionem a entidade caso estejam em atraso ou sofrendo reduções. A orientação é que os profissionais passem a documentar os plantões que dão para que possam comprovar futuramente, caso necessário
23:34 | Set. 10, 2021
Autor Leonardo Maia
Foto do autor
Leonardo Maia Estagiário
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Total de 17 municípios cearenses estão devendo salários para médicos cearenses, conforme balanço de agosto do Sindicato dos Médicos do Ceará. São eles: Acarape, Aracati, Aracoiaba, Alto Santo, Baturité, Caridade, Catunda, Chaval, Limoeiro do Norte, Maranguape, Mulungu, Icó, Itapipoca, Ipueiras, Pacajus, Pires Ferreira e Quixadá.

O levantamento é feito pelo sindicato desde janeiro de 2017 e já chegou a registrar 31 municípios inadimplentes. Em julho deste ano, eram 18 municípios com débitos com os profissionais, quando Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) ainda integrava a lista.

Quando recebe denúncias dos profissionais, a entidade checa a informação e busca resolver o problema de forma administrativa. Caso não seja possível, o caso é judicializado e o município passa a fazer parte da lista, que é atualizada no primeiro dia útil de cada mês, por meio das redes sociais e do site oficial.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Os médicos que trabalham em órgãos públicos, que estejam em atraso ou sofrendo reduções, podem acionar o sindicato para tentar resolver o problema. A orientação da entidade é que os médicos passem a documentar os plantões que dão para que possam comprovar futuramente, caso necessário.

O POVO entrou em contato nesta noite com o Sindicato dos Médicos para saber um balanço sobre o número de médicos que não receberam pagamentos, mas foi informado que a resposta só poderia ser apurada na próxima segunda-feira.

Posicionamento das prefeituras

Na noite desta sexta-feira, O POVO buscou um posicionamento das prefeituras citadas pelo Sindicato dos Médicos, por meio de ligações telefônicas. Dos 17 municípios procurados, quatro se posicionaram, oito não responderam aos questionamentos e cinco não foram localizados. A reportagem buscou os contatos com a Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), que informou que não seria possível realizar um levantamento sobre a situação dos municípios, porque a gestora responsável estava viajando.

Municípios que se posicionaram:

- Quixadá

Nota oficial

O município de Quixadá esclarece que os atrasos informados pelo Sindicato referem-se aos serviços de médicos prestados nos meses de novembro e dezembro do ano passado, ainda no exercício da gestão anterior. A gestão atual está impedida de realizar o pagamento porque o setor contábil da gestão anterior não realizou o empenho dos serviços médicos. O compromisso atual da secretaria de saúde com os médicos é mantido com rigor, tanto que de janeiro até o presente mês não há registros de atraso no pagamento dos médicos.

- Aracoiaba

Nota ofical

O secretário de Saúde de Aracoiaba, Valdson Aquino, refutou a nota, explicando que os débitos existentes são referentes ao ano de 2019 e atribuídas a uma cooperativa contratada na época, ainda na gestão do prefeito Antônio Cláudio (PSDB), julgado como inelegível pela Justiça Eleitoral por abuso econômico e político durante a campanha de 2016. Ele afirma que, em janeiro, entrou em contato com o sindicato para explicar o caso.

O gestor afirma que a gestão do prefeito Thiago Campelo (PDT) mantém o pagamento dos servidores em dia, com o último salário sendo realizado já no dia 06 de setembro. “O ex-gestor deixou uma dívida fora do comum, incluindo folha da saúde. O atual prefeito firmou um acordo e encaminhou um calendário de pagamento ao MP e já estamos o cumprindo fielmente”, explica o secretário.

- Catunda

A Prefeitura de Catunda, por meio de sua assessoria, disse que o débito se refere a uma médica, que alega ter trabalhado no município em dezembro de 2016. Conforme a gestão, no entanto, não há nenhum registro formal de que a profissional trabalhou no período informado e o pagamento não pode ser realizado.

- Caridade

A Prefeitura de Caridade, por meio de sua assessoria, disse que não conseguiu localizar nenhum médico que o município esteja em débito na atual gestão. Também não há informações sobre profissionais que não receberam o pagamento em gestões passadas.

- Maranguape

A Prefeitura de Maranguape informa que as anotações feitas pelo Sindicato dos Médicos são referentes à dívidas contraídas ainda no exercício da gestão anterior, que deixou de pagar os meses de novembro e dezembro a alguns médicos. Acontece que as dívidas não foram empenhadas, o que dificulta o pagamento dos meses referidos. Durante todo este período, a atual gestão tem mantido diálogo e realizado negociações com os profissionais para que este pagamento seja feito o mais breve possível. O prefeito Átila Câmara reitera seu compromisso com a valorização dos profissionais de saúde, inclusive, ampliando o número de médicos do município e mantendo o pagamento em dia de todos os profissionais.

Municípios que não responderam:

- Aracati

- Acarape

- Chaval

- Limoeiro do Norte

- Icó

- Itapipoca

- Ipueiras

Municípios que não foram localizados:

- Pacajus

- Pires Ferreira

- Mulungu

- Alto Santo

- Baturité

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags