Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Idosos do Lar Torres de Melo recebem terceira dose da vacina contra Covid-19

Segundo Ana Estela, da Secretaria Municipal da Saúde, o Ministério da Saúde prevê ainda para o mês de setembro o envio de mais doses da D3 para pessoas com mais de 70 anos
11:18 | Set. 08, 2021
Autor Levi Aguiar
Foto do autor
Levi Aguiar Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Francisca Pontes, 67 anos, está há dois anos morando no Lar Torres de Melo. Nesta manhã, ela tomou a D3: “Eu estava muito ansiosa, e agora estou muito feliz e segura. Mais segura ainda porque recebi a terceira dose. Eu quero poder sair e passear para ver meus parentes em Morada Nova”, diz a idosa, com os olhos azuis brilhando de entusiasmo após a imunização.

A Prefeitura de Fortaleza iniciou a aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19 em idosos moradores de Instituições de Longa Permanência (ILPIs). A primeira contemplada foi o Lar Torres de Melo. Os imunizantes aplicados hoje são da Pfizer/BioNTech. Ao todo, 862 idosos vivendo em ILPIs foram vacinados e agora receberão a terceira dose. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) deve vacinar o público das 27 instituições existentes na Capital.

LEIA MAIS | Carteiras distantes e expectativa: veja como está sendo o retorno da rede municipal de Educação em Fortaleza

Camilo anuncia chegada de 104.130 doses da vacina contra Covid-19

A secretária da saúde de Fortaleza, Ana Estela Leite, falou sobre a importância de vacinar o público institucionalizado, que começou a receber a primeira dose da CoronaVac no dia 19 de janeiro, no início da campanha de vacinação. “É um público extremamente vulnerável, com maior risco de contrair a Covid-19. O idoso não tem a mesma resposta imunológica dos mais jovens, por isso a necessidade de uma terceira dose”.

Conforme Ana Estela, o Ministério da Saúde prevê ainda para o mês de setembro o envio de mais doses da D3 para pessoas com mais de 70 anos. Esses imunizantes serão aplicados em pessoas com mais de 70, que tenho recebido as duas doses há pelo menos 6 meses.

A decisão da aplicação da terceira dose foi determinada pelo Ministério da Saúde. De acordo com o Órgão, todos os indivíduos imunossuprimidos, após 28 dias da segunda dose, e pessoas acima de 70 anos que receberam duas doses há seis meses deverão receber o reforço neste mês.

“Inicialmente, Fortaleza aplicará a terceira dose em idosos institucionalizados, devido ao maior risco de contrair a infecção pelo coronavírus, em virtude da idade e da condição de institucionalizados. Os demais idosos serão contemplados tão logo o Município receba doses destinadas para tal”, afirma Ana Estela.

*Com informações da repórter Angelica Feitosa

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

DF vacinará adolescentes de 16 anos a partir de sexta-feira

Saúde
12:28 | Set. 08, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, anunciou hoje (8) que a vacinação de adolescentes a partir de 16 anos vai começar na próxima sexta-feira (10).

A ampliação será possível porque o governo do DF recebeu hoje (8), do Ministério da Saúde, 43.290 doses de vacinas contra a covid-19 fabricadas pela Pfizer, única autorizada para uso em adolescentes. Ibaneis postou mensagem no Twitter.

 

Pandemia gera queda de matrículas de refugiados 

Educação
11:38 | Set. 08, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Os níveis de acesso à educação entre refugiados sofreram queda durante a pandemia de covid-19. A constatação é da Agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), que chama a atenção para a necessidade de um esforço internacional a fim de garantir o acesso à educação secundária para crianças e jovens refugiados.

De acordo com os dados coletados pela Acnur em 40 países, a taxa bruta de matrícula para jovens refugiados no nível secundário, entre 2019 e 2020, foi de apenas 34%. Em quase todos os países, a taxa é inferior à das crianças das comunidades de acolhida. O ensino secundário, entre o 6º ano do ensino fundamental até o 3º ano do ensino médio, deve ser um momento de crescimento, desenvolvimento e oportunidades. Segundo a agência, esse período aumenta as perspectivas de emprego, saúde, independência e liderança de jovens em situação de vulnerabilidade e os torna menos suscetíveis a serem inseridos em cenários de trabalho infantil.

É provável, segundo a Acnur, que a pandemia tenha prejudicado ainda mais as oportunidades dos refugiados. Na avaliação da agência da ONU, a covid-19 tem sido prejudicial para todas as crianças, mas para jovens refugiados, que já enfrentam obstáculos significativos de acesso à educação, ela pode destruir todas as esperanças de alcançarem a educação de que precisam.  “O recente progresso feito na matrícula escolar de crianças e jovens refugiados está agora sob ameaça”, afirma o alto comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi. “Enfrentar esse desafio requer um esforço massivo e coordenado, e é uma tarefa da qual não podemos nos esquivar”, acrescenta.

Na avaliação da Acnur, os países que acolhem grande número de refugiados precisam de assistência para ter capacidade de atender a esses jovens: mais escolas, materiais de aprendizagem apropriados, treinamento de professores em disciplinas especializadas, apoio e instalações para meninas adolescentes e investimento em tecnologia e conectividade para acabar com a exclusão digital.

Ensino superior

Quando o foco é nas matrículas do ensino superior, elas foram de 5%, um aumento de 2 pontos percentuais a cada ano. “ Esse ganho representa uma mudança transformadora para milhares de pessoas refugiadas e suas comunidades. É um aumento que também gera esperança e incentivo aos refugiados mais jovens, que enfrentam grandes desafios relacionados ao acesso à educação”, ressalta a Acnur.

Apesar disso, o nível permanece baixo quando comparado aos números globais. Sem um expressivo aumento no acesso ao ensino secundário, a meta “15 em 30” estabelecida pela organização e parceiros – 15% dos refugiados matriculados no ensino superior até 2030 – permanecerá fora de alcance.

Acnur

A Agência da ONU para Refugiados é uma organização dedicada a salvar vidas, assegurar os direitos e construir futuro melhor para as pessoas que foram forçadas a deixar suas casas e comunidades devido a guerras, conflitos armados, perseguições ou graves violações dos direitos humanos. Presente em mais de 130 países, a entidade atua em conjunto com autoridades nacionais e locais, organizações da sociedade civil, academia e o setor privado para que todas as pessoas refugiadas, deslocadas internas e apátridas encontrem segurança e meios para reconstruir sua vida.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Após liberação de público no RJ, CBF fará reunião sobre o assunto

Esportes
10:49 | Set. 08, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) fará nesta quarta-feira (8) uma reunião extraordinária do Conselho Técnico que debaterá, entre outros assuntos, o retorno de público nos estádios em competições nacionais. O encontro vai acontecer após a Prefeitura do Rio de Janeiro liberar, de forma gradativa, a presença da torcida a partir do dia 15 de setembro, quando o Maracanã terá Flamengo e Grêmio pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Apesar da liberação efetuada pela prefeitura, em princípio, os clubes precisam aprovar o retorno de público por meio de conselhos técnicos organizados pela entidade máxima do futebol.

Além disso, este confronto em 15 de setembro é válido pela Copa do Brasil, competição de formato mata-mata, neste caso, o protocolo da CBF não permitiria a reabertura dos portões para o público, tendo em vista que o jogo de ida, que aconteceu no mês passado em Porto Alegre, o mandante não pôde contar com torcedores. Estas questões serão debatidas no Conselho Técnico da CBF.

Ainda sobre a decisão da prefeitura, ficou definido que três eventos-teste serão realizados na cidade e cada um contará com aumento de público gradualmente. Flamengo e Grêmio (Copa do Brasil – 15/09) poderá contar com 35% da capacidade do estádio. Em 19 de setembro, teremos Flamengo e Grêmio pelo Campeonato Brasileiro e neste confronto será permitido a presença de 40% da acomodação. E no terceiro evento-teste, Flamengo e Barcelona de Guayaquil (Libertadores), teremos a possibilidade de 50% de torcida no interior do estádio, em 22 de setembro. Todos os três duelos serão disputados no Maracanã.

Para que os torcedores possam entrar no estádio, eles terão que se cadastrar em um sistema online, onde deverão inserir o comprovante de vacinação e teste RT-PCR ou antígeno para covid-19 com até 48 horas de antecedência do jogo, em laboratório credenciado pelo Flamengo. Somente se o exame der negativo, a compra poderá ser efetuada.

Durante a partida, os torcedores deverão manter distanciamento social de 1 metro em planos de assentos disponíveis, além de fazer o uso de máscaras. A Secretaria Municipal de Saúde ainda fará o acompanhamento dos espectadores por 15 dias após o jogo, a partir dos dados informados pelo laboratório.


A Prefeitura ainda diz que “o planejamento e monitoramento operacional nas proximidades e entrada do estádio no dia dos jogos, bem como a comunicação aos torcedores quanto à necessidade de cumprimento a códigos de conduta sanitária, serão de competência do organizador.”

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Carteiras distantes e expectativa: veja como está sendo o retorno da rede municipal de Educação em Fortaleza

saúde
09:44 | Set. 08, 2021
Autor Júlia Duarte
Foto do autor
Júlia Duarte Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

As aulas presenciais da rede municipal de Educação de Fortaleza retornaram nesta quarta-feira, 8, para 79.820 alunos dos mais de 240 mil matriculados. O retorno de hoje aconteceu em 471 unidades do total de 581 que compõem a rede de ensino escolar. Como previsto no plano, crianças dos anos iniciais, infantil 3, 4 e 5, além do 1º e 2º do fundamental, voltaram às salas de aula. Os locais foram equipados com faixas e avisos para reforçar o distanciamento entre os alunos. 

Na semana seguinte, será a vez dos alunos do infantil I e II e o 3º, o 4º e o 5º ano do fundamental I. Os demais alunos do fundamental, do 6º ao 9º alunos, e estudantes do Educação de Jovens e Adultos (EJA) só devem voltar na última semana do plano, no dia 20 de setembro. Segundo a Secretária Municipal de Educação (SME), o modelo de educação adotado é híbrido, em que a cada semana 50% dos estudantes estarão nas escolas e os outros 50% em casa, com o ensino remoto, revezando na semana seguinte.

LEIA MAIS| Aulas presenciais da rede municipal de Fortaleza começam pelo infantil e fundamental

O revezamento nas escolas é para proporcionar o distanciamento entre as crianças, como explica o secretário adjunto da SME, Jefferson Maia. "Garantir que a escola consiga se organizar, tanto no sentido de cumprir os protocolos sanitários como dar eficiência a esse acompanhamento", ressaltou o titular. Maia explica ainda como vai funcionar o esquema de atividades durante as intercalações no ambiente escolar. Na semana em que os alunos vão à escola, levam para casa as atividades para a semana em que ficaram em casa. Quando retornam à sala de aula, os exercícios são corrigidos e novas orientações pedagógicas serão passadas.

"Quando as crianças voltarem para (a semana) presencial terá todo o suporte para tirar dúvidas, esclarecimentos e aprofundamentos. Tudo isso construído dentro de um protocolo pedagógico", aponta o secretário adjunto. Ele pontua ainda que todas as crianças do fundamental matriculadas na rede passaram por uma avaliação no mês de agosto para diagnosticar o nível de aprendizado dos alunos. "Nós sabemos o nível que nossos alunos retornaram justamente para agir onde tivermos maiores dificuldades", ressalta Maia.

Responsáveis

 

Alessandra Oliveira, 34, acompanhou a filha de 8 anos até a escola municipal Madre Teresa de Calcutá, no bairro de Fátima. As expectativas para a retomada são as melhores possíveis.

"Ela estava querendo voltar, ela adora estudar. Agora é esperar que tudo vai dar certo. Dentro da sala está tudo sob controle, as professoras estão sabendo separar as crianças", relata Alessandra.

De acordo a mãe, conciliar o ensino da filha com o trabalho não estava sendo tarefa fácil. "Tava sendo muito difícil. As aulas online não estavam servindo para ela, na hora que chegavam as tarefas dela era o horário que eu saía para trabalhar", lamenta.

A psicanalista Joana Mendes, 41, era mais uma mãe que aguardava ansiosamente a retomada do ensino presencial. Ela também relata dificuldades para auxiliar a filha durante o ensino remoto.

"Essa retomada já dá um alívio para melhorar a condição escolar dos nossos filhos. Por mais que a gente queira, mesmo sendo mãe, mesmo procurando as informações, a gente não tem a mesma didática que a escola", comenta.

Nas salas de aula, os professores tratavam de explicar os protocolos para as crianças antes mesmo de iniciarem o conteúdo. O pequeno Enzo Ribeiro, de apenas sete anos, mostra que entendeu todas as recomendações.

"É muito legal voltar para as aulas. Também tem que se cuidar, não pode sair de casa, tem que usar máscara se sair, passar álcool em gel, lavar as mãos e também comer e cuidar da saúde", conta Enzo, que também afirmou estar com saudade dos colegas de classe.

Com informações da repórter Mônica Damasceno 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: Rio de Janeiro retoma vacinação de adolescentes

Saúde
08:19 | Set. 08, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio Janeiro (SMS) retoma hoje (8) a vacinação contra a covid-19 de adolescentes, com a aplicação da primeira dose em meninas de 15 anos. O dia de amanhã (9) foi reservado para o mesmo grupo e os meninos de 15 anos poderão iniciar a imunização na sexta-feira (10).

A retomada ocorre após a entrega, pelo Ministério da Saúde, de 35.832 doses do imunizante da fabricante norte-americana Pfizer para as primeiras doses na segunda-feira (6). A vacina da Pfizer é a única que já tem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a aplicação no público entre 12 e 17 anos.

A repescagem para a primeira dose ocorre para pessoas a partir de 25 anos, gestantes, puérperas, lactantes e deficientes a partir dos 12 anos de idade. Para a repescagem, a Secretaria de Saúde sugere que se compareça aos postos de vacinação na parte da tarde.

Ontem, devido ao feriado de 7 de setembro, não houve vacinação na cidade. Segundo a secretaria, as datas para aplicação da primeira dose nos adolescentes de 14 a 12 anos só serão divulgadas quando o Rio receber mais vacinas da Pfizer.

O painel de vacinação da prefeitura aponta que 77,9% da população total da cidade receberam a primeira dose e 42% estão com o esquema vacinal completo contra a covid-19, com duas doses da AstraZeneca, CoronaVac ou Pfizer ou com a dose única da Janssen. 

No recorte do público-alvo da campanha de vacinação, de pessoas com 12 anos ou mais, são 91% com a primeira dose e 48,9% com a imunização completa.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags