Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Cinco policiais penais, seis presos e colaboradores do sistema prisional morreram de Covid-19 no CE

Dados são de março de 2020, quando a pandemia chegou ao Estado, a abril deste anos. O Sindppen-CE denuncia o fechamento de mais de 100 cadeias públicas
19:30 | Mai. 03, 2021
Autor Angélica Feitosa
Foto do autor
Angélica Feitosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Um total de 20 pessoas, sendo cinco policiais penais, seis colaboradores da Secretaria da Administração Penitenciária do Estado (SAP) e seis detentos morreram de Covid-19 desde o início da pandemia no Ceará, entre março de 2020 e o último dia 19 de abril. Relatório divulgado em parceria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Departamento Penitenciário (Depen) mostra o Estado com 2.085 presos contaminados e seis mortes; 1.015 servidores com a infecção e cinco mortes e seis colaboradores da SAP também falecidos. Em março de 2021, o acumulado de presos contaminados era 1.576, o que representa um crescimento de 105% de novos casos em um mês. Os dados podem ser acessados na página do CNJ.

O número de casos também cresce entre os servidores da SAP. Em 24 de março, CNJ e Depen registravam 719 servidores infectados, no último mês o número chegou a 1.015. Rafael Magno, diretor financeiro do Sindicato dos Policiais Penais do Estado do Ceará (Sindppen-CE) aponta que, como trabalham na linha de frente, os policiais penais deveriam estar na prioridade da vacina contra a Covid. “Nós temos contato com presos, não só os que chegam para nós, mas os que estão internados nos hospitais. Isso deixa os policiais penais e outros servidores muito apreensivos”, conta.

“Os policiais penais trabalham na linha de frente e muitos têm contato com presos hospitalizados e isso nos deixa muito apreensivos”, informa. Segundo ele, a Secretaria da Saúde do Ceará repassou algumas doses da vacina para servidores de dois presídios, as Casas de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) 5 e 6, o que não representa nem 10% dos policiais e servidores. “Todas as unidades são importantes e os agentes estão apreensivos não só por eles, mas também por suas famílias”, diz.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

LEIA MAIS| Primeiro caso de Covid-19 em presídio do Ceará alerta para risco de infecção em massa

 Em três dias, dobra o número de casos de presos com Covid-19 no Ceará

O diretor conta que no Centro de Triagem e Observação Criminológica (CTOC), que funciona no Complexo Penitenciário de Aquiraz e é a porta de entrada do sistema penitenciário, nenhum policial penal foi vacinado. “Nós recebemos presos vindos das audiência de custódia e outros presos que vão direto para o sistema. É uma das principais portas para a contaminação”, conta.

Lá, são feitos exames e traçado um perfil criminológico antes do interno ser encaminhado a uma das unidades prisionais do Estado. O Sindpen está organizando um ato com o pedido de inclusão na vacinação. Outro problema apontado pelo diretor é que foram fechadas mais de 100 cadeias públicas no Interior do Estado. E hoje a maioria dos presos é enviada para os presídios da Região Metropolitana de Fortaleza. “A Organização Mundial da Saúde repete que evitar a aglomeração é a melhor forma de se evitar a Covid”, diz.

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária informa que as visitas estão suspensas desde o dia 20 de fevereiro. O atendimento da Casa do Albergado também segue suspenso neste momento. Além disso, a Secretaria já realizou mais de 20 mil testes em internos e servidores, como forma de rastreamento de novos casos e medidas precoces de isolamento e tratamento. A SAP aproveita para esclarecer que ainda permanece com sua estrutura de Enfermaria Máxima de Saúde para isolar e tratar da forma mais adequada os internos que tenham sintomas ou apresentem resultado positivo para o novo coronavírus.

Por fim, a SAP comunica que todo interno que entra no sistema prisional cearense realiza teste para a Covid-19 e que, neste momento, tem 35 internos em tratamento para quadro leve da doença, sendo todos oriundos da Decap, diante de uma população carcerária de aproximadamente 23 mil detentos. A SAP nega o número de mortes divulgado pelo relatório nacional. Além disso, afirma que tem dois policiais penais e 10 colaboradores terceirizados em tratamento para quadro leve da doença diante de um efetivo total de 4.700 servidores da Secretaria. Para concluir, a SAP esclarece que, desde o início da pandemia até esta segunda-feira, 3, foram registrados óbitos provocados pela Covid-19 em quatro policiais penais, seis internos e três colaboradores.

O que diz a Secretaria da Saúde

Em nota, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) informou que "os profissionais das áreas de segurança que atuam na linha de frente do enfrentamento à Covid-19 ou em unidades com risco de contágio da doença estão sendo vacinados, conforme orientação do Ministério da Saúde, na Fase 2 do Programa Nacional de Imunização (PNI)".

A Secretaria declarou ainda que se reuniu com as secretarias de Segurança Pública (SSPDS) e Administração Penitenciária, após a orientação do Ministério, para definir quais profissionais receberiam as doses dos imunizantes. Foi identificada a necessidade de vacinação dos agentes penitenciários que atuam nas CPPL onde há detentos positivados com Covid-19. Os demais agentes penitenciários do Ceará serão imunizados na Fase 4 do PNI.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar