PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Em 10 anos, número de cearenses com ensino superior mais que dobra

Título de professores também avançou. O número de docentes doutores quase triplicou.

Ítalo Cosme
11:30 | 26/03/2021
 Alunas no laboratório do curso de veterinária da UECE, campus Itaperi.   (Foto: FABIO LIMA)
Alunas no laboratório do curso de veterinária da UECE, campus Itaperi. (Foto: FABIO LIMA)

Atualizado em 26/03/2021 às 12h23min

A quantidade de cearenses graduados saiu de 352.253 para 784 mil entre 2008 e 2019. O crescimento é de 122,6% na quantidade de pessoas com ensino superior no Estado. As matrículas também ampliaram no período, de 35.252 para 97.360, com destaque à oferta educacional no interior do Ceará. A modalidade à distância também se fortaleceu, com crescimento maior que 600%: de 9.646 para 70.738 alunos de graduação e especialização.

Os dados são de levantamento do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece). Em material divulgado nessa quinta-feira, 25, Cândido B.C. Neto, coordenador de Educação Superior da Secitece, acredita que o salto ocorre pela interiorização do ensino superior público. 

Cita como exemplo o fortalecimento dos novos campi da Universidade Federal do Ceará (UFC) e do Instituto Federal do Ceará (IFCE), a expansão dos já existentes, e também pela criação da Universidade Federal do Cariri (UFCA) e da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab).

Neto destaca ainda a expansão das Universidades Estadual do Ceará (Uece), Regional do Cariri (Urca) e da Vale do Acaraú (UVA).

Para o Governo do Estado, a ampliação de doutores no corpo docente das instituições melhora a qualidade da educação superior. Com isso, o estudo destaca incremento de 4.113 docentes que receberam o título de doutores. No primeiro ano considerado no estudo, 2008, era de apenas 1.739. No último, 5.852. Por sua vez, o número de mestres quase dobrou. Saiu de 3.241 para 6.084 professores com mestrado. Na pós-graduação, em 2008, havia 3.756 matriculados. Dez anos depois, havia 7.987.