PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Em 2020, mais de 6 mil armas foram apreendidas pela Polícia no Ceará

O mês com maior registro de 2020 foi outubro, quando houve 652 apreensões. O número alcançou o quarto maior acumulado mensal da série histórica

Marcela Tosi
07:29 | 05/02/2021
Esquema de comercialização de armas foi desarticulado  (Foto: divulgação)
Esquema de comercialização de armas foi desarticulado (Foto: divulgação)

Durante os 12 meses do ano passado, as forças de segurança do Ceará apreenderam 6.117 revólveres, pistolas, espingardas, fuzis, rifles e outros tipos de armamento. Em média, quase 17 armas foram diariamente retiradas de circulação. Conforme a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ações de patrulhamento e abordagem, operações focadas em alvos específicos e denúncias explicam o aumento de 11,64% em relação a 2019.

LEIA MAIS | Réplicas de fuzil são apreendidas no Aeroporto de Fortaleza

LEIA MAIS | Apreensão de drogas e armas de fogo no Ceará aumenta 36% e 11% em 2020, respectivamente

O mês com maior registro de 2020 foi outubro, quando houve 652 apreensões. O número alcançou o quarto maior acumulado mensal da série histórica, atrás dos meses de maio (695), agosto (687) e janeiro (664), todos do ano de 2018. Com as ações, o último ano se estabeleceu como o quarto com maior apreensão de armamentos, atrás de 2018, com 7.171; 2019, com 6.969; e 2015, com 6.288.

“Com as apreensões e por meio de perícia, é possível elucidar crimes que tenham sido cometidos com essas armas", afirma o secretário da Segurança, Sandro Caron. É muito importante destacar que a arma de fogo é um instrumento utilizado para a prática do homicídio, do assalto e de outros crimes, ou seja, quanto mais se tiram da rua as armas de fogo, mais se consegue evitar as ocorrências, prevenindo novos crimes”, frisa.

Todas as armas recolhidas pela Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) e pela Polícia Militar do Ceará (PMCE) são apresentadas diariamente nas delegacias e tornam-se procedimentos instaurados pelas autoridades policiais. Em seguida, conforme solicitação dos delegados, as armas são encaminhadas para o Núcleo de Balística Forense da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), onde são submetidas à análise. A avaliação dos armamentos é feita por meio de exames de microcomparação balística. Quando necessário, existe a possibilidade de realização de exame residuográfico.

Com informações da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social