PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Após dois anos de aumento, cai número de homens que dividem atividades domésticas no Ceará, diz IBGE

No Brasil, os maiores índices de diferença em afazeres domésticos são registrados na região Nordeste do País

Leonardo Maia
10:25 | 04/06/2020
Em 2019, a diferença de participação entre os gêneros nos afazeres domésticos é de quase 25 pontos percentuais no Ceará. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Em 2019, a diferença de participação entre os gêneros nos afazeres domésticos é de quase 25 pontos percentuais no Ceará. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O Ceará é o quarto estado brasileiro com maior disparidade de realização de afazeres domésticos entre homens e mulheres, de acordo com dados de 2019 divulgados na manhã desta quinta-feira, 4, por pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apenas 66% dos homens ouvidos pelo órgão colaboram no trabalho doméstico, enquanto entre as mulheres essa taxa sobe para 90%. Quando comparado a dados anteriores, a quantidade de homens que colaboram com as tarefas caiu três pontos percentuais em relação a 2018. A queda contraria a tendência de aumento, quando em dois anos, entre 2016 e 2018, a participação masculina nas atividades aumentou mais de 10 pontos percentuais.

 

Entre outras tarefas, o IBGE considerou como afazeres domésticos: o preparo de alimentos; a limpeza de roupas e sapatos; pequenos reparos no domicílio ou no automóvel; fazer compras ou pesquisar preços de bens; cuidar de animais domésticos; e cuidar da organização do domicílio (pagar contas, contratar serviços e orientar empregados).

Para a pesquisadora Juliana Diniz, professora de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC), os dados podem refletir o crescimento de um discurso mais conservador sobre os papéis de gênero na esfera pública. Ela explica que na última eleição houve um aumento de representantes eleitos com uma concepção mais ligada à família tradicional, o que pode ter influenciado na mudança de comportamento dos homens.

A especialista ainda ressalta que esse indicador é essencial para que se entenda o déficit da participação femininos em assuntos públicos. “A sobrecarga de tarefas domésticas para mulheres no ambiente privado impacta na performance das mulheres na esfera pública, como a política e o mercado de trabalho. As tarefas domésticas consomem tempo e capacidade laboral das mulheres sem que esse tempo seja remunerado”, defendeu.

A diferença se apresenta de forma diferente no território do Brasil: com os maiores índices na região Nordeste e os menores no sul do País, onde as taxas de disparidade não superam 12 pontos percentuais. A menor diferença, no entanto, acontece no Amapá, localizado na região Norte — quatro pontos percentuais separam a participação de homens e mulheres em afazeres domésticos.

Segundo o estudo, a desigualdade tende a cair de acordo com o maior nível de instrução. Nacionalmente, a diferença entre homens e mulheres é quase cinco pontos percentuais menor quando são comparadas pessoas que terminaram o ensino superior e aquelas que têm o ensino fundamental incompleto ou nenhuma formação educacional.

Trabalho voluntário

Quatro a cada 100 brasileiros fazem trabalho voluntário, segundo o IBGE. Essa taxa é ainda menor no Ceará, onde 3,5% da população realiza esse tipo de trabalho. Desde 2016, ano que os dados são disponibilizados no site do instituto, a taxa não apresenta variações significativas.

Na Capital, a Prefeitura apresentou, em abril do ano passado, uma plataforma que busca conectar instituições do terceiro setor e voluntários. O Programa Fortaleza Solidária, que foi criado com base em experiências de outras cidades, foi responsável por realizar 290 ações distribuídas em quase 200 mil horas de voluntariado, de acordo com informações do site oficial.