PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Número de agentes penitenciários infectados pelo novo coronavírus chega a 130

Número é mais que o dobro da semana passada. Desse total, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informa que registrou a cura e o retorno ao trabalho de 60 servidores e afirma que "não existe uma alteração significativa no quadro epidemiológico"

15:41 | 08/05/2020
Agentes penitenciários recebem máscaras e são orientados a usar álcool em gel
Agentes penitenciários recebem máscaras e são orientados a usar álcool em gel (Foto: Divulgação/Sap )

Um total de 130 agentes penitenciários testaram positivo para o novo coronavírus até o dia 5 de maio. O número de servidores infectados é o dobro do registrado uma semana antes, até o dia 28 de abril, quando 67 tinham sido detectados com a Covid-19. De acordo com o diretor financeiro do Sindicato dos Agentes e Servidores Públicos do Sistema Penitenciário do Estado do Ceará (Sindasp), Rafael Magno, os funcionários pedem intensificação da prevenção por se tratar de um ambiente totalmente aglomerado, exatamente o inverso do que preconiza a Organização Mundial da Saúde. Eles cobram ações mais intensivas da Secretaria da Administração Penitenciária do Estado do Ceará (SAP).

"A SAP tem disponibilizado equipamentos como máscaras, luvas, álcool em gel, sabonete e água. Mas pedimos mais máscaras de acrílico, para os agentes que abrem e fecham as celas dos presos porque eles têm contato direto com os detentos”, informa o Rafael Magno. A doença tem afetado o funcionamento dos plantões nos presídios, ainda conforme o diretor, porque reduzem a quantidade de agentes disponíveis para o serviço. “Temos servidores no grupo de risco acima, de 60 anos, que já estão afastados do trabalho. E isso gera uma grande defasagem. De certa forma, os presos estão ansiosos com a pandemia e isso pode gerar um colapso no sistema", alerta.

De acordo com Joelia Silveira, presidente do Sindasp, um dos funcionários terceirizados que trabalha na cozinha do Instituto Penal Feminino Auri Moura Costa testou positivo para a doença. Cerca de 20 detentas que trabalham com ele foram afastadas em quarentena dentro do próprio presídio e recebem atendimento médico. Elas foram diagnosticadas com a Covid-19. “Até o momento, não tivemos nenhuma morte e, se Deus quiser não teremos. Mas a contaminação está crescendo dentro do sistema entre os agentes penitenciário. O Sindicato vem tomando medidas de prevenção e controle”, avisa. Por conta dos casos confirmados e suspeitos, houve uma baixa na quantidade de efetivos trabalhando dentro do sistema.

“Hoje há uma super população carcerária dentro das unidades. Já não somos suficientes em número normal. Imagine com os afastamentos. Tem deixado o agente exaurido, porque, praticamente, dobra ou triplica o trabalho nas unidades”, avisa.

Segundo a presidente do sindicato, até o momento não existem riscos de haver rebelião dentro dos presídios porque, conforme aponta, os agentes estão fazendo um ótimo trabalho de segurança apesar do baixo efetivo. “Mas tem esgotado fisicamente e mentalmente o servidor, que exerce a atividade essencial e de alto risco. Para a sociedade, nossos agentes estão expostos ao risco de contaminação, é necessário um olhar mais atento ao sistema penitenciário”, alerta.

Em nota, a assessoria de imprensa da Secretaria da Administração Penitenciária informa que registrou a cura e o retorno ao trabalho de 60 agentes penitenciários. A SAP também comunica que não existe alteração significativa no quadro epidemiológico de Covid-19 no sistema penitenciário do Ceará sobre aumento de casos e que permanece com 1 óbito da doença – o interno da CPPL 2 falecido no dia 27 de abril.

A nota traz ainda uma série de ações que a SAP vem tomando no controle da doença, com avaliação e identificação dos dados epidemiológicos e sociodemográficos dos apenados em seu ingresso ao sistema prisional, com ênfase e avaliação criteriosa pela equipe de saúde da SAP; manutenção dos apenados em isolamento por um período de quatorze dias para observação de quadro clinico, com acompanhamento pela equipe de saúde da unidade; avaliação clínica aos apenados conforme rotina da unidade, com vigilância para a busca de casos suspeitos. 

Além disso,  a nota informa que equipes de saúde treinadas para atendimento de casos suspeitos conforme protocolos estabelecidos pelos órgãos de saúde foram disponibilizados e está à disposição uma central de remoção de referência para o translado dos casos suspeitos nas unidades da região metropolitana de Fortaleza. Equipes de agentes penitenciários passaram por capacitação para a realização de remoção dos casos suspeitos/confirmado da Covid-19.

Outras ações são a distribuição, normatização e fiscalização para que os servidores utilizem os equipamentos de proteção individual e higiene; suspensão das visitas, dos malotes e dos atendimentos presenciais dos prédios administrativos; reforço das equipes de saúde nas unidades prisionais, pois todas contam com ambulatórios e enfermarias preparadas para qualquer situação médica de atenção primária. A SAP dispõe de uma equipe atenção primária própria de saúde, que trabalha integrada com a Secretaria de Saúde do Estado para qualquer eventualidade que precise de atendimentos mais complexos e que foram fornecidos material básico necessário de higiene para internas e internos em todas as unidades prisionais do Estado.

Os banhos de sol nas unidades foram ampliados, para garantir mais tempo de arejamento aos nossos internos e internas e estão sendo realizados testes e orientação a todos os servidores e colaboradores que apresentem as características apontadas pela Secretaria de Saúde. Outra ação é a produção de máscaras com internos e internas qualificadas pelo Senai em diversas unidades do sistema. Uma comissão permanente de combate ao coronavírus foi criada no sistema penitenciário e conta com a participação da SAP e do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado do Ceará .