PUBLICIDADE
Ceará
Noticia

Açude Banabuiú registra melhor volume em cinco anos

O terceiro maior açude do Ceará está com 8,54% da capacidade de abastecimento. O sistema hídrico do Estado acumula 29% do volume total, conforme o Portal Hidrológico

20:35 | 15/04/2020
Açude Banabuiú em outubro de 2019
Açude Banabuiú em outubro de 2019 (Foto: 31 18:59:46)

Terceiro maior açude do Ceará, o Banabuiú, localizado na bacia hidrográfica de mesmo nome, está com 8,54% da capacidade de abastecimento, que corresponde a 136 milhões de metros cúbicos de água. O reservatório não chegava a índice igual ou superior ao atual desde outubro de 2014, quando chegou a 8,58% do volume total. O sistema hídrico do Estado está com 29% da capacidade de abastecimento, conforme o Portal Hidrológico.

O reservatório registrou perda acentuada de volume desde meados de 2011. Em 2015, a situação se agravou e o Banabuiú passou a acumular menos de 1% da capacidade total. A partir da quadra chuvosa de 2018, porém, o cenário começou a melhorar, com aumento paulatino da recarga.

Conforme Paulo Ferreira, gerente regional da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) da bacia do Banabuiú, o açude recebe águas, principalmente, dos rios Banabuiú e Quixeramobim. “O açude abastece a sede municipal de Banabuiú e algumas comunidades de Quixeramobim e Banabuiú. Até 2015, ele também era perenizado para uso na agricultura e pecuária. Depois disso, foi liberado apenas para abastecimento humano em algumas comunidades”, diz. O último ano em que operou normalmente para produção foi em 2014.

A bacia do Banabuiú, que registra 9,9% do volume total, é uma das em situação hídrica mais crítica nos últimos anos. “A bacia apresenta recarga muito em virtude do açude Banabuiú e de outros açudes que estavam secos desde 2015, como o Serafim Dias, em Mombaça, e o Vieirão, em Boa Viagem. Ambos estavam sendo atendidos com a utilização de poços”, explica. Com a recarga, Boa Viagem tem abastecimento garantido e não vai mais precisar do uso de adutoras até fevereiro de 2021.

Ele frisa que os reservatórios Jatobá, em Milhã, e Trapiá II, em Pedra Branca, ainda não registraram recarga suficiente para o abastecimento dos respectivos municípios, que são atendidos desde 2016 com chafarizes e poços.

Castanhão, o maior reservatório do Estado, localizado na bacia do Médio Jaguaribe, está com 12,79% do volume total. Segundo maior, o Orós, no alto Jaguaribe, acumula 18,80% da capacidade. Quarto maior, o Ararás, na bacia do Acaraú, está com 96, 82% do volume total.

Nível do volume armazenado no açude Banabuiú desde 2014
Nível do volume armazenado no açude Banabuiú desde 2014 (Foto: Reprodução/Portal Hidrológico)

Bacias hidrográficas 

Assim como Banabuiú, as outras bacias são localizadas na porção Centro-Sul do Estado que, historicamente, recebe chuvas menos intensas e contínuas. Com a quadra chuvosa deste ano, a região também tem tido aporte, ainda que tímido. Salgado está com 40,2% da capacidade, seguido de Sertões de Crateús (44,5%), Alto Jaguaribe (26,1%) e Médio Jaguaribe (12,3%).

As bacias do Coreaú (97,7%), Litoral (95,6% ), Acaraú (84,7%) e Serra da Ibiapaba (76,3%) estão com os melhores aportes e em situação considerada confortável. Assim como Baixo Jaguaribe (63,7%), Metropolitana (21,6%), Curu (21,6%).

Dos 155 açudes monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), 30 estão sangrando e 13 estão com mais de 90% da capacidade. Por outro lado, 57 reservatórios estão com menos de 30% do volume, 12 estão com volume morto e três estão secos.

A quadra chuvosa (fevereiro, março, abril e maio) de 2020 já acumulou 531,7 milímetros de precipitações, o que representa 88,5% da volume esperado para o período.