PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Reportagem sobre R$ 7,9 milhões em tornozeleiras é de abril do ano passado

Em números reais, no período entre 18 de março e 13 de abril, um total de 554 ativações de tornozeleiras eletrônicas foram feitas no Estado. Somente quatro a mais em relação ao mesmo período de 2019

15:47 | 14/04/2020
Imagem de abril do ano passado tem rodado a rede social Whatsapp com informações descontextualizadas sobre tornozeleira eletrônica. Foto: Whatsap/O POVO
Imagem de abril do ano passado tem rodado a rede social Whatsapp com informações descontextualizadas sobre tornozeleira eletrônica. Foto: Whatsap/O POVO (Foto: Whatsap/O POVO)

Uma imagem de reportagem publicada em 10 de abril do ano passado pelo site Revista Ceará tem sido divulgada pelas redes sociais este ano para afirmar que o Governo do Estado investiu R$ 7,9 milhões para a compra de tornozeleiras eletrônicas para a liberação de presos. Na imagem, o texto afirma que “em concordância com o TJ-CE (Tribunal de Justiça do Ceará), governador cumprirá decisão e por meio da Secretaria Penitenciária, liberará bandidos envolvidos em tráfico de drogas, a maioria líderes e integrantes de facções criminosas”. A compra aconteceu de fato, mas há um ano.

O preço por cada tornozeleira é de R$ 165. A Secretaria da Administração Penitenciária do Estado (SAP) informou que, desde 18 de março deste ano até 13 de abril, foram ativadas 554 tornozeleiras em detentos nos presídios do Ceará, quatro a mais que o mesmo período do ano passado. Em 2018, o número foi de 381 equipamentos de monitoramento. Em 2020, o período informado engloba o decreto do governador Camilo Santana de afastamento social por conta da pandemia do coronavírus. A SAP, segundo a assessoria de imprensa, afirma que não estipula a duração do equipamento, mas garante que tem a quantidade suficiente e que trabalha sob demanda.

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária informa que repudia a divulgação de notícias falsas e que pediu investigação contra todas as mensagens mentirosas que tentam desestabilizar o sério trabalho de prevenção, proteção e segurança dos internos, seus familiares e servidores públicos.