PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Sobe para 170 número de assassinatos registrados no Ceará desde início da paralisação de PMs

O balanço é da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social. O período dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) compreende de zero hora de quarta, 19, até às 23h59min desta segunda, 24

12:02 | 25/02/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 19-02-2020: 18º Batalhão da PM em Antonio Bezerra. Policiais Militares, aderem a paralisação da Policia Militar do Ceará. em vários comandos. (Foto: Mauri Melo/O POVO).
FORTALEZA, CE, BRASIL, 19-02-2020: 18º Batalhão da PM em Antonio Bezerra. Policiais Militares, aderem a paralisação da Policia Militar do Ceará. em vários comandos. (Foto: Mauri Melo/O POVO). (Foto: MAURI MELO/O POVO)

Pelo menos 170 pessoas foram mortas no Estado do Ceará desde o começo da quarta-feira, 19, até às 23h59min de segunda, 24. A média é de 34 pessoas assassinadas por dia, mais de uma por hora. Somente na última segunda, o número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) chegou a 23. Os dados são da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

>> PMs retiram balaclavas para demonstrar seriedade do movimento

>> Sobe para 230 o número de policiais afastados por suspeita de motim

CVLIs nos últimos dias:
Segunda, 17: 3
Terça, 18, início da paralisação: 5
Quarta, 19: 29
Quinta, 20: 22
Sexta, 21: 37
Sábado, 22: 34
Domingo, 23: 25
Segunda, 24: 23

Histórico

O amotinamento de parte dos policiais militares começou na terça-feira à noite. Eles alegam questões salariais. 

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, esteve no Ceará nesta segunda-feira para acompanhar a operação Garantia da Lei e da Ordem (GLO), aprovada pelo Governo Federal no dia 20, que trouxe ao Ceará tropas das Forças Armadas.

>> Sergio Moro chega a Fortaleza para acompanhar operações da GLO

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e advogado-geral da União, André Luiz Mendonça, também vieram para a Capital. O POVO acompanhou a chegada da comitiva, que se reuniu com equipes da 10° Região Militar e seguiu para o Palácio da Abolição, onde foram recebidos pelo governador Camilo Santana.