PUBLICIDADE
Ceará
DADOS DE MORTES VIOLENTAS

Ceará registra redução de 56% no número de assassinatos no primeiro trimestre de 2019

Levantamento realizado apontou que em números absolutos, o Ceará registrou a maior diminuição de mortes, sendo 691 vítimas a menos na comparação com o mesmo período do ano passado

00:00 | 14/05/2019

O Ceará apresentou a maior queda no número de mortes violentas do Brasil: 56%. No Estado, houve 546 assassinatos registrados no primeiro trimestre de 2019, enquanto no mesmo período de 2018 foram 1.237. Esses dados são do levantamento do Monitor da Violência, realizado pelo portal G1 em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Em números absolutos, o Ceará também é destaque, pois apresentou a maior redução de mortes, com 691 vítimas a menos registrados.

De acordo com o levantamento, o Ceará também foi o estado com maior diminuição de mortes no primeiro bimestre de 2019, seguido pelo Rio Grande do Norte. Os dados apresentaram que, em janeiro e fevereiro deste ano, houve redução de 57,9% no índice de mortes violentas, no qual foram contabilizados 355 assassinatos. Em 2018, nesse mesmo período, foram 844 vítimas.

A redução entre janeiro na comparação entre os anos de 2018 e 2019 foi de 60,2%, enquanto em fevereiro no mesmo período, a queda registrada foi de 55%.

Além do Ceará, os estados do Amapá, Sergipe e Rio Grande do Norte, tiveram quedas no número de assassinatos superiores a 30%. Já Mato Grosso do Sul registrou a menor redução de mortes, apenas 3%.

Registro Nacional

Conforme o levantamento, o Brasil registrou uma redução de 24% nas mortes violentas no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2018. Em 2019, foram 10.324 assassinatos e no ano passado, no mesmo período, foram 13.552.

Nesse estudo, os dados sobre o estado do Paraná não foram contabilizados, já que o governo paranaense informou que os números de janeiro, fevereiro e março ainda estão sendo tabulados para posterior divulgação.

Estão contabilizados no levantamento as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios (roubo seguido de morte) e lesões corporais seguidas de mortes.

David Moura/O POVO Dados