Participamos do

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

19:47 | Nov. 21, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Brasília como é; e Brasília como poderia ter sido. Essa é a reflexão que o público poderá fazer ao visitar, no Centro Cultural Três Poderes da capital federal, o Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, onde está em cartaz até 16 de dezembro a exposição Outra Brasília Nunca Mais – Uma Exposição em Realidade Aumentada.

Nela, estão os sete projetos finalistas que, entre 1956 e 1957, disputaram o Concurso Nacional da Novacap que definiu as linhas da cidade que Juscelino Kubitschek construiria nos anos seguintes.

As sete propostas urbanísticas para a construção de Brasília possibilitam, ao público, imaginar como seria o futuro, caso o projeto desenhado por Lúcio Costa, de uma cidade no formato de um avião, não tivesse vencido o concurso.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine
Exposição Outra Brasília Nunca Mais

A exposição contará com réplicas dos projetos que apresentam como seriam as “outras Brasílias”, inclusive em 3D. Haverá também áudios explicativos em português e inglês, além de textos e desenhos em Braille, e recursos de audiodescrição. Estudantes de arquitetura da Universidade de Brasília (UnB) estarão no local para dar apoio à visitação.

Segundo os organizadores da exposição, que tem como curador o arquiteto e urbanista Pedro Daldegan, o edital preparado na época pela Novacap “foi pouco exigente quanto à justificativa técnica das propostas, solicitando apenas um traçado básico da cidade com a localização das principais instalações e um memorial descritivo”.

Assim sendo, todos os 26 projetos apresentaram, em algum ponto, o pensamento do arquiteto franco-suíço Le Corbusier (pseudônimo de Charles-Edouard Jeanneret-Gris), que defendia a “prioridade das questões socioeconômicas no projeto de uma cidade”.

A comissão julgadora então acabou por classificar sete concorrentes, organizando-os pelas "virtudes comuns”. Lúcio Costa foi o vencedor; um foi vice (Boruch Milman); dois ficaram em terceiro lugar (Levi e o escritório MMM Roberto), cabendo a outros três a divisão da quinta colocação.

Exposição Outra Brasília Nunca Mais

Daldegan, que também é diretor, roteirista e cenógrafo, considera “feliz” a decisão do júri do concurso, que dividiu as cinco premiações com os sete planos finalistas. “Foi uma forma de contemplar os grandes nomes da arquitetura moderna brasileira”, disse ao lembrar que a proposta de Lúcio Costa “foi quase unanimidade entre o júri nacional e internacional”.

O curador lembra que, em 1987, todo o conjunto arquitetônico foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade. "Foi reconhecido pelas relações entre as quatro escalas urbanas: a monumental, a residencial, a bucólica e a gregária, além de sua arquitetura inovadora.”

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags