PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Matas fechadas e grotas: Lázaro Barbosa consegue fugir da Polícia há 13 dias

Mais de 200 policiais, drones, helicópteros e cães farejadores atuam na busca a Lázaro Barbosa, mas o suspeito tem conseguido driblar as forças de segurança pública

10:39 | 21/06/2021
Buscas a Lázaro Barbosa, 32, acusado de crimes em série em Goiás e no Distrito Federal. (Foto: Divulgação/SPS-GO)
Buscas a Lázaro Barbosa, 32, acusado de crimes em série em Goiás e no Distrito Federal. (Foto: Divulgação/SPS-GO)

Suspeito de crimes em série, Lázaro Barbosa, 32, consegue fugir da Polícia há 13 dias. O foragido é caçador e mateiro, habilidoso em utilizar esconderijos nas matas fechadas e em grotas — cavidades provocadas por água de rios e cachoeiras — na região rural de Cocalzinho, em Goiás. Mais de 200 policiais, drones, helicópteros e cães farejadores atuam na busca.

A Polícia acredita que Lázaro esteja já cansado e com fome. Contudo, muitas casas foram abandonadas na região por moradores que temem se tornar vítimas do criminoso. Assim, o suspeito as invade para buscar comida e outros suprimentos.

"Ali tem Cocalzinho, Edilândia e Girassol. Edilândia é no município de Cocalzinho, com cerca de mil habitantes. Girassol tem pouco mais de cinco mil pessoas. Ficam às margens da BR-070. Depois disso é só mato. Mato, mato, mato", descreve Naldo Lopes ao jornal O Globo. Ele administra um perfil de notícias da região e acompanha a caçada a Lázaro desde o primeiro dia.

Segundo Naldo, alguns trechos da região podem ter campo aberto, com vegetação de cerrado, mas também são constituídos de uma mata muito fechada. "Tem alguns rios, córregos e cachoeiras. E nessas cachoeiras são pedras. A água forma grotas, buracos, onde ele se esconde e dificulta a polícia a achá-lo", completa.

Clique na imagem para abrir a galeria

Tecnologia na operação

 

O titular da Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, voltou a dizer na última quinta-feira, 17, que o foco da força-tarefa é impedir que o suspeito faça novas vítimas. “Ele não vai se entregar, conhece a região como ninguém, principalmente as grotas, e tem um poder de mobilidade muito grande. Nós estamos lidando com um psicopata, uma pessoa que, se puder, vai ter reféns e vai matar”, enfatizou.

Lázaro segue desaparecido
Lázaro segue desaparecido (Foto: Reprodução/TV Globo)

Os drones utilizados pela polícia tentam visualizar o fugitivo, que se movimenta à noite, conforme as autoridades de segurança. Os equipamentos podem captar essa movimentação em algum ponto aberto da mata, que é de difícil visualização até de helicóptero.

As equipes de inteligência policial identificaram um padrão na atuação do suspeito, que está sendo analisado. A informação é de que a forma de atuação de Lázaro já se repetiu alguns anos atrás na Bahia e ele ficou 15 dias no meio do mato, sem comida e sem água.

Além das forças de segurança de Goiás, equipes do DF, das policias Federal, Rodoviária Federal e da Força Nacional participam das buscas a Lázaro. 

Segundo o portal Metrópoles, durante as diligências, os agentes encontraram pelo caminho, em diversos pontos dentro da mata, velas de sete dias e até pedaços de papel com o nome completo de Lázaro. As autoridades desconfiam que o próprio suspeito tenha deixado as velas acesas para pedir proteção espiritual.

Em um dos locais de mata fechada, militares goianos também localizaram uma rã desossada, deixada ao lado de um facão. Parte do animal havia sido comido. Qualquer informação relevante sobre o suspeito deve ser encaminhada para o disque denúncia criado para auxiliar a operação de captura: (061) 9 9839 5284.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

 

Crimes em série

 

Lázaro é suspeito de cometer um quádruplo latrocínio em Ceilândia (DF), além dos crimes em Goiás. Nos últimos dias, o homem invadiu propriedades rurais da região do entorno, fez três pessoas reféns e baleou outras quatro, entre elas, um policial militar. O indivíduo já possui uma condenação por homicídio, no Estado da Bahia e é também procurado no DF e em Goiás por crimes de roubo, estupro e porte ilegal de arma de fogo.

 

Com informações do G1