PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Amiga de Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank dá golpe de R$ 180 mil no casal

A advogada Isabela Guerra era uma amiga de confiança do casal e havia prometido, segundo relatos dos dois, investir a quantia, que retornaria às mãos deles

09:26 | 14/05/2021
Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank confiavam na índole da ex-amiga (Foto: Reprodução/Instagram)
Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank confiavam na índole da ex-amiga (Foto: Reprodução/Instagram)

Os atores Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank judicializaram um processo de Execução de Dívida no valor de R$ 180 mil contra a ex-amiga Isabela Brito Guerra. Ela propôs ao casal um investimento em aquisição de imóveis através de leilões judiciais e recebeu a quantia em razão da relação de confiança que mantinha com os dois. Isabela, porém, nunca participou de qualquer leilão judicial e se apropriou, portanto, indevida e ilegalmente do dinheiro.

A advogada foi condenada por estelionato pela Justiça Criminal a um ano e dois meses de reclusão em regime aberto e 11 dias-multa. Giovanna contou à juíza criminal que parou de falar com Isabela quando pediu uma comprovação do uso correto do dinheiro e a amiga demonstrou relutância. As informações são do colunista Lo Bianco, do portal IG.

Leia também | Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank passam férias em ilha particular com diárias de R$ 35 mil
Títi Ewbank, filha de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso, conversa com Katy Perry

Em seu interrogatório, Isabela negou as acusações e declarou ter prestado serviços jurídicos ao casal que não foram remunerados. Bruno e Giovanna negam. A advogada admitiu ter recebido a quantia de Ewbank, mas que, segundo dela, seria usado para realizar um investimento em seu escritório. As amigas teriam acertado que Isabela investiria o valor e devolveria o emprestado com um acréscimo percentual quando conquistasse seu lucro.

De acordo com a Juíza, foi “plenamente configurada a fraude praticada contra a vítima Giovanna. A ré se valeu da confiança da vítima para captar seu dinheiro sob argumento de que faria um investimento extremamente lucrativo. O meio escolhido pela ré, qual seja, propor o intermédio de um investimento, foi eficaz, já que, em razão disso, a vítima lhe entregou o cheque”.