PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

"Jairinho é um homem ruim, doente e psicopata", diz Monique em carta à família

A professora relata detalhes do relacionamento que viveu com o vereador carioca Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho

12:56 | 03/05/2021
Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, deixa à Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP), após prestar depoimento sobre a morte do menido de 4 anos. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, deixa à Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP), após prestar depoimento sobre a morte do menido de 4 anos. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Em uma carta escrita da cadeia para parentes, a professora Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, diz que o namorado, o vereador carioca Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho (sem partido), “é um homem ruim, doente e psicopata”. A apuração é do Fantástico, que nesse domingo, 2, mostrou esta e outras cartas que Monique entregou para seus advogados.

Na carta aos pais e ao irmão, Monique diz que "acreditava cegamente no Jairinho". "Depois que comecei a transcrever para o papel tudo o que ele fez comigo, em tão pouco tempo, que pude perceber o quanto fui usada, o quanto fui violentada, o quanto me humilhei e me rebaixei para fazer dar certo sobre um relacionamento de um psicopata", lamenta.

LEIA TAMBÉM | MP denuncia o vereador Dr. Jairinho por torturar criança de 4 anos

Câmara dá parecer favorável ao processo de cassação de Dr. Jairinho

Na carta, Monique pede ajuda ao pai. “Confie em mim! Eu poupava vocês do que eu vivia, porque eu também não enxergava”, escreveu.

Em outra parte das mensagens, Monique detalha a vida íntima com Jairo, também marcada por violência e abusos. “Ele era viciado em sexo”, afirma. Monique diz que as relações sexuais pareciam “um ritual”. “Ele sempre por cima e, na maioria das vezes, me enforcando — mas sem me machucar, era só fetiche da cabeça dele!”

“Ele me obrigava a dizer que ele tinha sido meu primeiro homem, minha primeira transa, o único homem que já amei, que eu nunca tinha ‘gozado’ antes. Todas as vezes que namorávamos, eu tinha que dizer as mesmas coisas, isso dava prazer a ele”, detalha.

Monique relata ainda agressões verbais e psicológicas sofridas em uma ocasião ao receber o delivery de uma sobremesa. “A hora que o entregador chegou e eu fui buscar na porta, o rapaz disse que era o dono da loja, que estavam começando e (...) desse a avaliação no iFood. Jairinho me perguntou o que o entregador tinha falado e eu contei exatamente como aconteceu (nada demais). Ele começou a me xingar de 'p***', (...) que eu não dava respeito à imagem dele", conta. "Ele me xingou de todos os nomes possíveis e impossíveis, que toda semana ele iria até o estabelecimento mandar quebrar a loja, mandar assaltar, mandar quebrar as motos das entregas, mandar bater no dono, que ele ia imprimir a foto dele e dar para seus amigos causar prejuízos até que fechasse", diz um trecho da carta.