PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Aos 89 anos, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso é vacinado contra Covid-19

No Twitter, o tucano parabenizou os dois institutos brasileiros pela vacina e conclamou a população a evitar aglomerações e aderir à campanha de vacinação

Leonardo Igor
14:29 | 12/02/2021
Em evento a favor da vacinação, Doria reuniu os ex-presidentes FHC, José Sarney e Michel Temer, os dois últimos por videoconferência.

 (Foto: Divulgação/Governo de São Paulo)
Em evento a favor da vacinação, Doria reuniu os ex-presidentes FHC, José Sarney e Michel Temer, os dois últimos por videoconferência. (Foto: Divulgação/Governo de São Paulo)

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi vacinado na quinta-feira, 11, contra a Covid-19, em São Paulo. Aos 89 anos, FHC recebeu a dose do imunizante em casa por “recomendação médica”, conforme sua assessoria. A vacinação foi possível após a Prefeitura de São Paulo adiantar a imunização dos idosos entre 85 e 89 anos, inicialmente prevista para a segunda-feira, 15.

Desde que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deu aval para as vacinas Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac, e a Oxford/AstraZeneca, produzida no Brasil em parceria com a Fiocruz, o ex-presidente tem manifestado apoio aos imunizantes.

No Twitter, o tucano parabenizou os dois institutos brasileiros pela vacina e conclamou a população a evitar aglomerações e aderir à campanha de vacinação.

"A defesa que temos é vacina. É fácil dizer 'fique em casa' para quem tem casa. Minhas primeiras palavras são para aqueles que não têm como se defender", declarou FHC em outra ocasião. No fim de janeiro, ele compareceu a evento a favor da vacinação organizado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A Prefeitura de São Paulo espera vacinar quase 90 mil com a antecipação da vacinação para pessoas da faixa etária de 85 a 89 anos, em que FHC se encaixa. Até quinta-feira, 11, o estado de São Paulo havia registrado mais de 1,88 milhão de casos de Covid-19, com mais de 55 mil mortes em decorrência da doença. A megalópole São Paulo, com as cidades vizinhas, é o principal foco da enfermidade no estado.