PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Sementes misteriosas que aparecem em encomendas da China são registradas em oito estados brasileiros

Ministério da Agricultura apura a origem das sementes e investiga se elas podem oferecer algum risco ao Brasil

19:42 | 30/09/2020
As sementes chegam em pacotes com escritos em mandarim junto a produtos encomendados de sites chineses. (Foto: Gabriel Zapella/Cidasc)
As sementes chegam em pacotes com escritos em mandarim junto a produtos encomendados de sites chineses. (Foto: Gabriel Zapella/Cidasc)

Durante o mês de setembro, moradores de oito estados brasileiros receberam pacotes de sementes misteriosas junto com produtos encomendados de sites de compra chineses. A primeira aparição aconteceu na cidade de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, e gerou alerta do governo do Estado. Em alguns casos registrados, até pessoas que não haviam solicitado qualquer mercadoria do país asiático também têm recebido as embalagens.

Além de Santa Catarina, o Ministério da Agricultura recebeu notificações do recebimento dos grãos nos estados do Rio Grande do Sul, Goiás, São Paulo, Rondônia, Pernambuco, Bahia e Mato Grosso do Sul. A pasta investiga o surgimento e a origem das sementes desde a última segunda-feira, 28, por meio do Laboratório Federal de Defesa Agropecuária de Goiânia. As informações são do portal de notícias catarinense NSC Total.

Os técnicos querem descobrir de que espécies são as sementes e se elas trazem riscos de doenças ou pragas agrícolas para o Brasil. Conforme explicou ao NSC Total, o engenheiro agrônomo Leonardo Machado argumenta que o manuseio dos grãos pode ser perigoso. “Imagina se uma doença, da soja, por exemplo, nossa principal cultura, que não temos aqui, mas temos em outros países, chegue por meio de uma semente dessa, e comece a se disseminar nas culturas daqui do estado, imagina as perdas que podem causar”, argumenta.

A aparição das sementes vindas de compras de sites chineses também está sendo registrada em outros países, como nos Estados Unidos, onde também passaram por análise. De acordo com as autoridades estadunidenses, nada de errado foi encontrado nelas, mas a orientação é que a população não semeie os grãos, porque podem não se adaptar ao bioma local e, consequentemente, causar desequilíbrios na vegetação.

Em nota, o Governo chinês informou que também está investigando a situação e que acredita que as embalagens sejam falsificadas. De acordo com o País, as sementes estão sendo relacionadas à China porque as embalagens possuem escritos em mandarim e, muitas das vezes, chegam junto a encomendas de sites de compras chineses.