PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Voluntários atuam no resgate e cuidado de animais feridos em incêndios no Pantanal

A estiagem e os incêndios florestais vêm alterando a paisagem em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, e afetando a fauna e a flora do Pantanal, com fumaças, animais feridos e rios secando

Ismia Kariny
11:54 | 14/09/2020
Queimadas no Pantanal e estiagem causam preocupação no MT e MS (Foto: )
Queimadas no Pantanal e estiagem causam preocupação no MT e MS (Foto: )

Voluntários se unem na luta para salvar animais feridos na região do Pantanal, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Há mais de vinte dias, o grupo formado por veterinários e especialistas ambientais atua na busca e resgate de espécies, com serviço de cuidados e socorro. Além da distribuição de bebedouros e alimentos nas áreas atingidas pelo fogo. As informações são do portal de notícias do G1.

A iniciativa de resgate aos animais foi pensada pela guia Eduarda Fernandes Amaral, que criou o grupo composto por seis voluntários de diferentes regiões do Brasil: os veterinários Jorge Salomão, Felipe Coutinho; a estudante de veterinária Isabella Cristina; a bióloga Natália Smiotto; e o pantaneiro João Paulo, proprietário da pousada Jaguar Ecological Reserve, onde a equipe está alojada.

O grupo se dedica diariamente em atividades de primeiros socorros e patrulha em áreas atingidas pelo fogo. A equipe ainda realiza distribuição de cochos e frutas pelo caminho para auxiliar os animais a encontrarem água e comida em meio a sequidão. Os recursos utilizados são arrecadados pelo próprio grupo de voluntários. Eles estão instalados em sede localizada no quilômetro 110 da Transpantaneira.

No alojamento há uma estrutura provisória criada para atender os bichos, e fazer o acompanhamento necessário dos animais. Em pouco mais de duas semanas, 14 animais foram resgatados, alguns (principalmente mamíferos) são encontrados com as patas queimadas, e os répteis são os mais atingidos pelo fogo.

“Eu não aceitava mais ver animais agonizando para morrer. Algo precisava ser feito, o start foi quando uma anta com filhote morreu nos meus braços e eu não pude fazer nada por falta de equipe e preparo. A partir daí eu movimentei uma vaquinha para financiar equipamentos, materiais, veterinários e toda a equipe para trabalhar”, disse a guia Eduarda Amaral ao G1.

Segundo Eduarda, a maioria dos bichos é encontrada em estado grave. Em casos emergenciais, os animais são encaminhados para o Hospital Veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso (Hovet), em Cuiabá, ou para outras instituições. O apoio ao grupo de voluntários ocorre por meio de doações que estão sendo movimentadas pelos fundos da ONG Ampara Animal ou o Pantanal Relief Found.

No Instagram, a equipe têm divulgado algumas das ações realizadas nas áreas atingidas, de socorro aos animais.


Entidades atuam no combate aos incêndios no Pantanal

 

Brigadistas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), assim como militares das Forças Armadas, já atuam na região em apoio às brigadas locais de combate ao fogo. Também no último domingo, 13, o Governo Federal confirmou que enviará reforços, com apoio técnico e financeiro, para auxiliar nos combates aos incêndios na região. 

As queimadas têm preocupado pelos grandes prejuízos ambientais e por ameaçar também importantes sítios arqueológicos existentes no Parque Estadual Nascentes do Rio Taquari, entre as cidades sul-mato-grossenses de Costa Rica e Alcinópolis.Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), já foram registrados 14.489 focos de incêndio na região, entre janeiro e este domingo, 13 de setembro. No mesmo período do ano passado foram 4.699 focos.

Com informações da Agência Brasil