PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Filha de Queiroz repassava salário para conta do pai em até 48 horas

A personal trainer trabalhava no gabinete do presidente Jair Bolsonaro e só interrompeu os depósitos para o pai, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, depois de um suposto vazamento de relatório do Coaf, que mencionava sua família

16:07 | 16/08/2020
Queiroz é acusado de participar de um esquema de rachadinha (Foto: Reprodução)
Queiroz é acusado de participar de um esquema de rachadinha (Foto: Reprodução)

O salário recebido por Nathalia Queiroz na Câmara dos Deputados não demorava mais do que 48 horas para ser transferido para a conta do pai dela, Fabrício Queiroz, no período em que ela trabalhava no gabinete de Jair Bolsonaro (Sem partido), segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo.

A personal trainer ficou lotada no gabinete do hoje presidente entre janeiro de 2017 e outubro de 2018. Ela só interrompeu os depósitos para o pai depois de um suposto vazamento de relatório do Coaf que mencionava sua família.

| LEIA MAIS |

As críticas da filha de Queiroz ao modo de agir do pai

Gilmar Mendes determina nova prisão domiciliar para Queiroz e esposa

Nathalia recebia o salário na conta do Banco do Brasil, transferia para uma conta no Itaú e logo depois mandava a maior parte para o pai, no mesmo banco. Dos 22 repasses feitos no período, 17 seguem esse padrão, aponta a folha. 

A Folha usa como exemplo o salário de fevereiro de 2018, que a filha de Queiroz recebeu no dia 22 e já repassou para o pai no dia 22. Em março, a transferência aconteceu no mesmo dia, assim como em junho.

Queiroz, que é amigo de Bolsonaro há mais de 30 anos, é investigado como operador financeiro de uma esquema de rachadinha, prática em que assessores parlamentares repassam parte do salário. Ele trabalhava no gabinete de Flávio Bolsonaro, filho do presidente, hoje senador da República. O dinheiro vivo do esquema era usado por Flávio para pagar despesas pessoais, indica o Ministério Público.

O advogado Paulo Catta Preta afirma que os depósitos de Nathalia para Fabrício aconteciam por conta de uma "centralização das despesas familiares na figura do pai", negando qualquer esquema de rachadinha.

Com informações do Correio, da Rede Nordeste