PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Para agronegócio, é preciso desmistificar "mitos" e "ideologias" sobre agrotóxicos

15:52 | 27/06/2019
Evento teve debate mediado por William Waack
Evento teve debate mediado por William Waack(Foto: DIVULGAÇÃO)

Uma guerra de comunicação. Nessa disputa, o agronegócio tenta "virar o jogo" mudando a própria imagem ante a população. Essa é a perspectiva defendida por entidades do setor e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O tema foi abordado no Fórum Internacional – Inovação para Sustentabilidade na Agricultura, realizado nesta quinta-feira, 27, em Brasília, pela Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef).

Umas das prioridades do agronegócio, para Eduardo Leduc, presidente do Conselho Diretor da Andef, é "garantir a percepção correta sobre a qualidade do alimento brasileiro" para o próprio Brasil e também para o exterior. "Com uma comunicação bem embasada tecnicamente e muito mais inteligente da forma que fizemos até agora para que o alimento brasileiro tenha a reputação que merece", diz.

"Quero parabenizar a nova administração que nós temos que está mudando a narrativa do agronegócio e está fazendo jus ao trabalho do setor agrícola para mais do que triplicar a produção de alimentos no País", defendeu Valdemar Fischer, presidente do Conselho Diretor da Croplife Latin América.

Conforme Marcos Montes, ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), uma das maiores dificuldades da pasta tem sido a "imagem" do agronegócio. "Nós não temos conseguido convencer nem a própria sociedade brasileira. Há desinformação", diz. De acordo com ele, é preciso "derrubar teorias ideológicas que não querem o Brasil competitivo."

Ele destaca a importância da sintonia técnica "não vista há muito tempo" entre o Mapa, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"Temos sido cada vez mais eficientes porque a agricultura brasileira é pautada pela ciência e inovação", destaca Caio Carbonato, professor doutor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e diretor presidente da Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais. Apesar da imagem negativa dos defensivos agrícolas, segundo Caio, o país faz uso racional dos produtos, o que garante que os problemas causados pelas substâncias "são isolados."

"É dito que o Brasil é o que mais produz defensores agrícolas. O que não é verdade." Ele detalha que, apesar de o País ser um dos líderes na utilização de agrotóxicos, o dado não é relevante se não for considerada a área na qual é utilizado. "Países como Japão, Alemanha, França, Itália, Reino Unido usam mais defensivos por unidade de área do que nós", frisa.

A jornalista Ana Rute Ramires  foi à Brasília a convite do  Fórum Internacional – Inovação para Sustentabilidade na Agricultura.

ANA RUTE RAMIRES