PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Laudo revela que menino de 9 anos levou 12 facadas e foi degolado vivo, no DF

A mãe do menino e a companheira dela praticaram o crime com requintes de crueldade

12:00 | 11/06/2019
Rhuan foi morto a facadas. As acusadas são a mãe e a companheira dela
Rhuan foi morto a facadas. As acusadas são a mãe e a companheira dela(Foto: Arquivo pessoal)

Devem ser indiciadas nesta terça-feira, 11, as duas mulheres acusadas de matar e esquartejar Rhuan Maycon da Silva Castro, de 9 anos. O menino morreu no dia 31 de maio após ter recebido 12 facadas e ter sido degolado em casa, no município de Samambaia, no Distrito Federal. Uma das mulheres é a mãe de Rhuan. A outra é a companheira dela.

A confirmação de como foi o assassinato veio depois do resultado de um laudo cadavérico.

A mãe de Rhuan, Rosana Auri da Silva Cândido, de 27 anos, é acusada de ter desferido as facadas no menino junto com a companheira, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno, 28. O laudo também revelou que a criança teve a cabeça arrancada quando ainda apresentava sinais vitais.

A Polícia Civil do Distrito Federal informou que a mãe esquartejou o corpo de Rhuan enquanto a companheira o segurava. Kacyla Priscyla ainda acendeu a churrasqueira para jogar o corpo da criança. O delegado da 26ª DP de Samambaia, Guilherme Melo, que acompanha o caso, explicou que o plano das duas era assar o corpo, mas elas não conseguiram. As duas chegaram a comprar um martelo para ajudar a quebrar os ossos de Rhuan.

O médico-legista responsável pelo laudo, Christopher Diego Beraldi Martins, diz que o plano das duas era tornar o corpo irreconhecível.

A Polícia investiga para saber se os órgãos do menino seriam usados em algum tipo de ritual macabro.

A mãe e a companheira dela podem, se condenadas, pegar até 57 anos de prisão. Elas estão presas em isolamento no Presídio Feminino no DF e serão indiciadas por homicídio duplamente qualificado, pelo motivo de impossibilidade de defesa da vítima; lesão corporal gravíssima, e por terem mutilado Rhuan.

 Redação O POVO Online