PUBLICIDADE
Brasil
São Paulo

Dez pessoas, incluindo crianças, adolescentes e funcionários, morrem em tiroteio em escola

Dois homens encapuzados e com luvas entraram na escola, atiraram contra as vítimas e se mataram em seguida

10:40 | 13/03/2019
Movimentação é intensa em frente à escola estadual
Movimentação é intensa em frente à escola estadual

Atualizado às 12h15min

Pelo menos 10 pessoas morreram durante e após atiradores invadirem a Escola Estadual Raul Brasil, no bairro Jardim Imperador, município de Suzano, Região Metropolitana de São Paulo. Entre os mortos, estariam os dois atiradores, quatro alunos que morreram no local e dois funcionários da escola. Outros dois alunos foram socorridos, mas morreram no hospital. Dezessete pessoas ficaram feridas no crime.

Dois adolescentes encapuzados usando luvas invadiram a escola, atiraram contra as crianças e se suicidaram em seguida. O crime aconteceu por volta das 9h30min, durante a merenda. Houve correria.

De acordo com o Corpo de Bombeiros de São Paulo, seis unidades de resgate do Corpo de Bombeiros, três do Samu, dois suportes avançados e dois helicópteros águia foram acionados ao local. O governador de São Paulo, João Dória, foi ao local e classificou a situação como "a cena mais triste" que presenciou na vida.

"Aos familiares, nossa solidariedade. É a cena mais triste que já assisti em toda minha vida. Fico triste que o fato ocorra no nosso País", disse o governador. A identidade das vítimas deve ser divulgada em nova coletiva de imprensa prevista para as 14 horas.

Ele informou que a Polícia chegou em oito minutos ao local e o Governo do Estado organizou estrutura de atendimento psicológico a amigos e familiares das vítimas.

O coronel Marcelo Sales, da PM de São Paulo, afirmou durante a coletiva que os mesmos atiradores, antes de entrar na escola, ainda atiraram no proprietário de um lava-jato que fica em frente à instituição. Eles entraram pela porta da frente da Escola Estadual Raul Brasil, portanto um revólver calibre 38 e uma besta, um equipamento medieval, com flechas. Todas os estudantes que foram vítimas estavam no ensino médio, segundo o PM.

"O Grupo de Ações Táticas está lá dentro fazendo varredura porque foram encontrados artefatos que induzem, em princípio, a serem explosivos", disse o coronel.

Redação O POVO Online