PUBLICIDADE
Notícias
PATRIOTISMO

MEC volta atrás e retira de carta para escolas o slogan da campanha de Bolsonaro

Ministério solicitou às escolas que gravem professores e estudantes cantando o Hino Nacional ao retornarem às aulas

12:38 | 26/02/2019
Ministro da Educação revisa carta enviada a escolas públicas e particulares e faz alterações (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Ministro da Educação revisa carta enviada a escolas públicas e particulares e faz alterações (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Ministro da Educação, o professor Ricardo Vélez Rodríguez revisou a carta enviada às escolas públicas e particulares brasileiras e considerou como “um equívoco” o trecho em que utiliza o slogan da campanha presidencial de Jair Bolsonaro (PSL). De acordo com o Ministério da Educação (MEC), novo texto deve ser enviado ainda nesta terça-feira, 26, às instituições de ensino de todo o País, para leitura voluntária no primeiro dia letivo.

Segundo o ministério, a nova redação da carta a ser lida diz: “Brasileiros! Vamos saudar o Brasil e celebrar a educação responsável e de qualidade a ser desenvolvida na nossa escola pelos professores, em benefício de vocês, alunos, que constituem a nova geração.” No documento enviado na segunda-feira, o texto terminava com as frases "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos" - slogan de campanha de Bolsonaro.

No comunicado, o MEC solicita que alunos e professores cantem, perfilados, o Hino Nacional frente à bandeira do Brasil. A “sugestão” do ministério é de que um colaborador da escola grave o momento, e a instituição envie para as assessorias de imprensa do órgão e Presidência da República.

Como O POVO mostrou nesta terça, a carta gerou polêmica entre representantes de instituições de todo o País. "Isso é ilegal, o MEC não tem competência para pedir nada disso às escolas", diz o diretor da Associação Brasileira de Escolas Particulares (Abepar), Arthur Fonseca Filho. O representante disse ainda que as escolas não têm autorização para enviar imagens de seus alunos para o governo.

De acordo com o ministério, no novo e-mail enviado para as escolas, solicita-se que a gravação deve ser precedida de autorização legal da pessoa filmada ou de seu responsável.

“Após o recebimento das gravações, será feita uma seleção das imagens com trechos da leitura da carta e da execução do Hino Nacional para eventual uso institucional. A atividade faz parte da política de incentivo à valorização dos símbolos nacionais”, manifestou o MEC à imprensa.

Na manhã desta terça-feira, Ricardo Vélez Rodríguez apresenta novas diretrizes e programas prioritários do MEC no Senado para os próximos anos. 

Redação O POVO Online