PUBLICIDADE
Notícias

Villa Mix diz que não há provas que sustentem acusação de racismo

Empresa diz que vai recorrer

22:16 | 26/09/2017
NULL
NULL
[FOTO1]Condenada pela Justiça a pagar indenização de R$ 60 mil a ex-funcionária, a casa noturna Villa Mix, em São Paulo, afirma que vai entrar com recurso contra a decisão. Em nota enviada ao O POVO Online, assessorias de imprensa e jurídica afirmam que a sentença foi julgada parcialmente e que é "passível de modificação".

A ação judicial aponta que a ex-funcionária, que é negra, era obrigada a restringir a entrada de outras pessoas negras no estabelecimento. A mulher foi hostess da casa, a pessoa responsável por selecionar os clientes na entrada, por dois anos.

"A respeito do racismo citado, é importante ressaltar que já houve investigação por órgãos realmente especializados (diferente da Justiça do Trabalho) para apurar eventual crime de racismo ou qualquer tipo de discriminação racial, tais como: membros do Ministério Público Civil e do Trabalho e também pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância – DECRADI, sendo todos os casos concluídos, após vastas investigações, pela inexistência de provas que atestem no sentido de ter existido qualquer prática de discriminação por parte da
Villa Mix", diz a nota.

A empresa aproveitou ainda para usar uma imagem da ex-funcionária em uma rede social em que ela publica foto divulgando a marca Villa Mix. O advogado da mulher, Raphael Chinche, afirma que além da indenização por danos morais, a empresa também deveria pagar pelo vínculo trabalhista que foi comprovado, já que não havia registro na carteira de trabalho.
Redação O POVO Online
TAGS