PUBLICIDADE
Brasil
brasília

Mãe não é atendida e bebê cai no chão de hospital ao nascer

Francisca chegou ao hospital perto de 1h da manhã. Ela avisou que bebê estava saindo, mas ouviu de funcionários para esperar na recepção

15:20 | 13/09/2017

(Foto: Arquivo Pessoal)

Na madrugada desta quarta-feira, 13, uma criança recém-nascida caiu no chão do Hospital Regional do Gama, no Distrito Federal. Na recepção do hospital, na esperava por atendimento, a mãe deu à luz em pé. Testemunhas afirmaram que o barulho da queda foi alto e assustador. As informações são do G1 do Distrito Federal.

Em nota, a Secretaria de Saúde do DF comunicou que Francisca da Silva, mãe de bebê, chegou na recepção do hospital já em trabalho de parto avançado. No entanto, não há registro de queda. De acordo com a Secretaria, a mulher teve o bebê no momento em que a equipe do centro obstétrico era solicitada. 

O vendedor Adão Francisco, pai da criança, afirmou que na hora do parto um enfermeiro estava ao lado da mulher e viu que a criança estava caindo, mas não tentou aparar. Francisca chegou ao hospital perto de 1h da manhã. Ela avisou que bebê estava saindo, mas ouviu de funcionários para esperar na recepção.

Na hora do nascimento da criança, o analista de sistema Adriano Carvalho estava na recepção do Hospital do Gama. Ele diz que a esposa dele também estava em trabalho de parto e aguardava atendimento há 40 minutos. De acordo com Carvalho, na hora da queda todos correram para socorrer.

Leia a nota da Secretaria de Saúde na íntegra:

"A direção do Hospital Regional do Gama informa que a paciente chegou à unidade de saúde, vinda do Jardim Ingá, entorno do Distrito Federal, em trabalho de parto avançado. Ao sair da ambulância e aguardar abrir a guia de atendimento, houve o nascimento de uma criança do sexo feminino ainda na entrada do hospital. Imediatamente mãe e bebê foram acolhidos por profissionais da Secretaria de Saúde e levados para atendimento no Centro Obstétrico.

Ambas passaram por exames e o quadro clínico é considerado bom. Ainda não há previsão de alta. Não há registro de queda da criança. A paciente, ao sair da ambulância para se dirigir ao atendimento, percebeu que não havia mais tempo e deitou-se no chão, onde teve o bebê, enquanto a equipe do centro obstétrico era chamada."

Redação O POVO Online