PUBLICIDADE
Notícias

Carrefour retira produtos de frigoríficos citados na operação Carne Fraca

O esquema seria liderado por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio, afirma PF

18:46 | 21/03/2017

O Grupo Carrefour retirou de maneira preventiva das suas lojas em todo o Brasil os produtos vindos dos frigoríficos citados na operação "Carne Fraca" da Polícia Federal, que foi deflagrada na última sexta-feira, 17.

Em nota, a companhia informou que o critério para retirada dos alimentos foi a planta frigorífica e não a marca. O Carrefour não informou quais fábricas citadas no esquema tiveram seus itens retirados das prateleiras. O processo de remoção, segundo o comunicado, teve início após o grupo tomar conhecimento da operação, além de identificar as origens dos produtos.

[SAIBAMAIS]O Carrefour informou ainda que conta com rígidos controles de segurança alimentar cumprindo as normas regulatórias em vigor, além de realizar inspeção em 100% dos perecíveis que recebe de seus fornecedores em seus centros de distribuição e análises laboratoriais periódicas.

Na última sexta-feira, 17, quando a operação se tornou pública, o Carrefour, Walmart e Pão de Açúcar solicitaram esclarecimentos aos fornecedores de carne.

Entenda o caso

A Polícia Federal (PF) deflagrou na última quarta-feira, 17, a Operação Carne Fraca para combater corrupção de agentes públicos federais e crimes contra Saúde Pública. O esquema seria liderado por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio. Segundo a PF, a operação detectou em quase dois anos de investigação que as Superintendências Regionais do Ministério da Pesca e Agricultura do Estado do Paraná, Minas Gerais e Goiás "atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público".

A operação cumpriu 309 mandados judiciais, sendo 27 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão em residências e locais de trabalho dos investigados e em empresas supostamente ligadas ao esquema.

 

Redação O POVO Online
TAGS