PUBLICIDADE
Notícias

Pit bull tetraplégico consegue andar após tratamento fisioterápico; entenda

A educadora física Daniela Fais, que acolheu o animal, explica que foi recomendado pelo veterinário o sacrifício para o pequeno Jon.

15:15 | 20/07/2016
NULL
NULL

Um cachorro da raça pit bull de dois meses, diagnosticado como tetraplégico, está conseguindo andar. A educadora física Daniela Fais, que acolheu o animal, explica que foi recomendado pelo veretrinário o sacrifício para o pequeno Jon.

O filhote apareceu na residência da educadora em São Carlos, SP, há duas semanas, bastante debilitado, chorando de dor e precisando de auxílio para se alimentar.

Diante da situação, Daniela o levou ao veterinário. “Disseram que ele é tetraplégico e que já não teria muito o que fazer, que seria um caso de sacrificá-lo, já que ele não ia ter nenhuma qualidade de vida, sem movimentação das patas e tudo mais, mas nós não aceitamos”, relatou ao G1.

Insatisfeita com o diagnóstico, a família decidiu procurar outros especialistas que pudessem apontar uma solução sem precisar do sacrifício animal.“Quando achamos outro especialista, ele disse que a fisioterapia seria uma luz no fim do túnel, mas essa luz acabou se tornando um milagre. Agora ele já deu os primeiros passos, ainda anda cambaleando e caindo, mas tentando”, contou ao site.

Tratamento

Jon já passou por sessões de acupuntura, ozônioterapia e fisioterapia. O tratamento tem dado resultado rapidamente e o filhote já anda, ainda que com passos pouco equilibrados.

“Agora nós o vemos alegre, feliz, todo tortinho, mas começando a andar, então eu e minha mãe ficamos emocionadas mesmo. Tudo isso valeu e vale a pena para realizar meu sonho, que é ver o Jon brincando, pulando e destruindo a casa”, disse ao portal de notícias.

A educadora física criou uma pagina na rede social, Facebook, para ajudar a custear o tratamento do bichinho, que é caro. Na página, Daniela sorteia rifas e recebe ajuda de doações.
                                                                                     Redação O POVO Online

TAGS