PUBLICIDADE
Notícias

Caso Araceli deu origem ao Dia de Combate à Exploração Sexual de Crianças

Araceli foi uma das vítimas mais emblemáticas de violência sexual contra criança no Brasil. Caso aconteceu há 43 anos e agressores, jovens de famílias influentes na região, chegaram a ser condenados. Mas decisão polêmica anulou a sentença e arquivou caso

16:50 | 18/05/2016
NULL
NULL

Araceli Cabrera Crespo tinha 8 anos de idade quando, no dia 18 de maio de 1973, foi raptada, estuprada e brutalmente assassinada, em Vitória, no Espírito Santo. O caso chocou o Brasil. Em memória ao caso Araceli, na data foi instituída como o Dia Nacional de Combate a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A intenção é mobilizar, denunciar e punir os autores de violência sexual contra a população infanto-juvenil.

Nesta quarta-feira, a morte de Araceli completa 43 anos. Os acusados foram condenados em tribunal, mas decisão polêmica de um juiz arquivou o caso anos depois. Todos os anos, nesta data, a impunidade é lembrada e repudiada.

Araceli foi tema de livro escrito por José Louzeiro. Com o título “Araceli, meu amor". Nas páginas do romance- reportagem, Louzeiro, denuncia que o crime foi acobertado por recair suspeitas em gente importante e influente.

Relembre o caso

Desaparecimento
Araceli foi vista pela última vez no dia 18 de maio de 1973 quando estava em direção à Escola São Pedro, em Vitória.  O corpo da garotinha apareceu seis dias depois carbonizado em um matagal. Os agressores, jovens de classe média alta, nunca foram punidos.

Depois de depoimentos e fatos apresentados pela denúncia do promotor Wolmar Bermudes, a Justiça chegou a três principais suspeitos: Dante de Barros Michelini (o Dantinho), Dante de Brito Michelini (pai de Dantinho) e Paulo Constanteen Helal.

Todos membros de tradicionais e influentes famílias da região.
De acordo com a versão da acusação, a Araceli foi raptada por Paulo Helal após sair do colégio. No mesmo dia, a menina teria sido levada para o Bar Franciscano, na Praia de Camburi, que pertencia a Dante Michelini, onde foi drogada, estuprada e mantida em cárcere.

Araceli teria entrado em coma e foi levada para o hospital, onde chegou morta. De acordo com a promotoria, Paulo Helal e Dantinho teriam jogaram o corpo da menina em um matagal, atrás do Hospital Infantil, em Vitória. Segundo denúncias, Dante Michelini usou sua influência com a polícia para dificultar a apuração dos fatos.

Em 1980, o juiz responsável pelo caso, Hilton Silly, condenou todos os acusados pelo crime. Porém, os acusados recorreram da decisão. O Tribunal de Justiça do Espírito Santo anulou a sentença. O caso passou para o juiz Paulo Copolilo, que gastou cinco anos para estudar o processo e absolveu os acusados por falta de provas.

Para denunciar abusos e exploração sexual

Disque 100

O serviço foi criado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e encaminha e monitora as denúncias de violência contra crianças e adolescentes.

De acordo com os dados de março de 2003 a março de 2011, o Disque recebeu 52 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes.

O Disque 100 funciona de 8h às 22h, inclusive aos finais de semana e feriados.

As denúncias são anônimas e a ligação é gratuita.

Email: disquedenuncia@sedh.gov.br.

TAGS