Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Matéria 'Bela, Recatada e do Lar' sobre Marcela Temer vira motivo de memes

Os atributos ressaltados da esposa do vice- presidente na matéria geraram repercussão na internet e mulheres postaram fotos e usando a hastag #BelaRecatadaeDoLar ironizando a situação
10:16 | Abr. 20, 2016
Autor
Foto do autor
Autor
Tipo Notícia
A revista Veja publicou nesta segunda-feira, 18, um perfil da jovem esposa do vice-presidente Michel Temer (PMDB), Marcela Temer, e memes se espalharam nas redes sociais debochando do título " Bela, recatada e ' do lar ' ". ­Na matéria, Marcela é denominada uma " mulher de sorte ". Ela se casou com o Michel Temer aos 20 anos. O vice, à época com 62 anos, era deputado federal e foi seu primeiro namorado. O casal tem um filho de 7 anos. Os atributos ressaltados da esposa do vice- presidente na matéria geraram repercussão na internet e mulheres postaram fotos e usando a hastag #BelaRecatadaeDoLar ironizando a situação. As fotos deram origem a um Tumblr que reúne memes de mulheres em resposta à matéria. O site Sensacionalista aproveitou a polêmica e fez uma postagem. [VIDEO1] Confira algumas postagens de mulheres " Bela, recatada e do lar": [FOTO2] [FOTO3] [FOTO4] [FOTO5] [FOTO6] [FOTO7] [FOTO8] [FOTO9] [FOTO10]

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Relator de marco das ferrovias indica que não deve se opor à edição de MP

ECONOMIA
15:02 | Ago. 17, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
O relator da proposta de um novo marco legal de ferrovias no Senado sinalizou nesta terça-feira que não deve protestar caso o governo federal edite uma medida provisória com o mesmo conteúdo do projeto. A possibilidade de o Executivo publicar a MP foi defendida novamente pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, que participa de audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado.
Um arcabouço atualizado de regras para o setor de ferrovias, com a introdução de um novo regime de operação, é objeto de projeto de lei apresentado pelo senador José Serra (PSDB-SP) em 2018, mas está parado na Casa. As discussões sobre a proposta evoluíram nos últimos anos, sob relatoria do senador Jean Paul Prates (PT-RN), mas a votação não foi encaminhada, apesar dos pareceres apresentados pelo senador.
Durante a audiência, Prates afirmou estar "à disposição" para o papel que lhe for atribuído. O Ministério da Infraestrutura e outros senadores já discutem um acordo para fazer com que o petista possa relatar a medida provisória, caso ela seja editada. "Sobre o projeto, o ideal seria votar direto no plenário. A outra forma é esperar a MP chegar, fazer a relatoria da MP, juntar o projeto de lei, de forma ágil, e fazermos a homenagem devida e não atropelar o projeto de autoria de Serra", comentou Prates.
A fala do relator foi feita logo após o senador Jayme Campos (DEM-MT) criticar a possibilidade de o governo editar a MP. Campos falou que a iniciativa "diminuiria" o Senado e tentou angariar apoio dos colegas para firmar um compromisso de que a proposta seria votada em até 15 dias pelos senadores.
"Vamos exigir do presidente Rodrigo Pacheco que ele coloque na ordem do dia até no máximo até semana que vem, basta que relator conclua relatório", disse Campos.
Prates, por sua vez, rebateu que seu relatório já está pronto, sendo que a primeira versão foi apresentada ainda no fim de 2019.
"Eu protestaria se houvesse edição de MP em cima de um projeto de lei. Nessas condições, quero dizer ao meu amigo Jayme Campos, o projeto de lei que sair daqui vai para Câmara e vai receber muito mais jabuti do que você imagina. A única vantagem que hoje a MP tem é que ela vai ter um relator só, e se for cumprido acordo aqui anunciado, seria o melhor", comentou o senador Esperidião Amin (PP-SC).
Tarcísio tem defendido a edição da MP diante do movimento dos Estados que têm avançado no tema por meio de legislações locais. Segundo o ministro, Mato Grosso, Minas Gerais e Pará já contam com leis que permitem um novo regime de operação de ferrovias, o de autorização, dentro de seus limites territoriais. O novo marco legal serviria para liberar esse modelo à nível federal.
Malha Norte
Além de condenar a chance de o governo editar a MP, o senador do Mato Grosso também questionou o ministro da Infraestrutura sobre como a medida afetaria os planos do Estado no setor ferroviário. Em julho, o governo de Mato Grosso abriu um chamamento público para a construção de ferrovia via autorização que conecte Rondonópolis a Cuiabá e a Lucas do Rio Verde.
A iniciativa deve atender ao interesse da Rumo em expandir a operação da Malha Norte, que funciona sob concessão federal. "Essa MP com certeza poderá atrapalhar o nosso chamamento no MT", disse Campos, cuja declaração foi rebatida pelo ministro.
De acordo com Tarcísio, "não há nada" na medida provisória que prejudique o chamamento público no MT. Segundo ele, a MP vai estabelecer qual será a relação da extensão da Malha Norte com a continuidade da ferrovia via autorização. "A MP vai trazer segurança jurídica, porque vai abraçar essas iniciativas estaduais. Não há nada na MP que vincule uma autorização estadual a uma anuência da ANTT. E estamos deixando isso muito claro, há zero risco para a iniciativa no MT", respondeu Tarcísio.
O relator do marco legal das ferrovias no Senado ainda foi além. Para ele, as autorizações concedidas nos Estados hoje estão completamente descobertas de segurança jurídica e respaldo legal. "Com todo respeito aos juristas que embasaram isso, não há absolutamente nenhum respaldo, quem estiver investindo - e se essa lei não sair ou a MP não vier - não há respaldo jurídico para esses editais, eles são ilegais e completamente inseguros do ponto de vista de investimento", disse Prates.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Petrobras pede à Justiça mais prazo para retomar escala de 14 por 14

ECONOMIA
15:02 | Ago. 17, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
A Petrobras pediu à Justiça um prazo maior para implantar o regime de trabalho de 14 dias seguidos por 14 dias de descanso, após ter alterado o período para 21 por 21 dias ou 28 por 28 dias, sem prévia negociação coletiva. A retomada da escala foi determinada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) no dia 12, respondendo a uma ação impetrada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP).
Segundo a petição da Petrobras, a estatal teria cinco dias a partir da decisão do órgão para implantar a nova escala, sob pena de multa de R$ 50 mil por dia. O novo prazo, solicitado pela empresa, seria estendido até 26 de agosto. A petição foi impetrada na 70ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.
"Com efeito, o próprio Ministério Público do Trabalho já acenava por um prazo de até 15 dias para cumprimento da decisão, motivo pelo qual a ré (Petrobras) solicita a prorrogação do prazo para cumprimento da decisão, de modo a que se permita que as empresas contratadas tenham até o dia 26.08.2021, para o retorno completo da escala 14x14", informa o documento.
Nas denúncias recebidas e nas audiências realizadas com trabalhadores offshore, o MPT observou que o alargamento das escalas combinado com a redução do pessoal a bordo (medida necessária para reduzir a circulação de pessoas) impôs sobrecarga física aos trabalhadores, que, na mesma jornada diária, realizam maior número de tarefas.
"A FUP vem denunciando há tempos o desrespeito da gestão da Petrobras a direitos básicos dos empregados, que, com o descumprimento e alteração arbitrária do período de revezamento dos turnos de trabalho, e o não cumprimento de regras sanitárias básicas de prevenção à covid-19, coloca em risco a saúde e a segurança dos trabalhadores", afirma em nota o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar.
Desde o início da pandemia, 51 empregados da Petrobras morreram de covid-19 e quase 8 mil foram contaminados pela doença, sem contar com os colaboradores terceirizados.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Conheça histórico de Cabeto antes e depois da Secretaria de Saúde do Ceará

EX-SECRETÁRIO
14:56 | Ago. 17, 2021
Autor Lais Oliveira
Foto do autor
Lais Oliveira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Agora ex-secretário de saúde do Ceará, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, Dr. Cabeto, é um dos médicos mais bem conceituados do Estado. Cabeto marcou a gestão à frente da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) em ações de combate à pandemia de Covid-19 desde 2020, mas assumiu a pasta em 2019. Em seu primeiro ano de gestão, estabeleceu novos critérios para preenchimento dos cargos nos consórcios de saúde no Estado, a fim de priorizar critérios técnicos na nomeação, antes de livre escolha de prefeitos.

Ao lado do governador Camilo Santana (PT), Cabeto vinha sendo porta-voz do Governo na gerência da crise sanitária causada pela Covid-19. Desde o começo da pandemia, o Ceará foi um dos estados a adotar medidas rígidas de isolamento social, seguindo orientações científicas, incluindo dois lockdowns. A reabertura econômica gradual do Estado também foi resultado de participação ativa da Sesa.

Antes de ocupar o cargo de titular da Sesa, Cabeto foi diretor médico do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), em Fortaleza. O médico pertence ao corpo docente da Universidade Federal do Ceará (UFC) e foi cedido para o Palácio da Abolição. 

Não era a primeira vez que o médico havia sido sondado. Cabeto já havia recusado a titularidade na gestão Camilo por pelo menos duas vezes, segundo O POVO apurou na época. Quando assumiu a pasta, o cardiologista exercia a vice-presidência do PSDB no Ceará. A secretaria estava sendo comandada por Marcos Gadelha Maia, que foi secretário adjunto da Sesa-CE até o fim de 2018. 

Cabeto é graduado em Medicina pela UFC (1990) e possui Doutorado em Cardiologia pela Universidade de São Paulo (2001). O médico tem experiência na área de cardiologia com ênfase nos temas: sistema nervoso autônomo, sistema cardiopulmonar e doença de chagas. Ele ainda coordena o grupo de implantação do Distrito de Inovação em Saúde de Porangabussu.

À frente da Sesa, o ex-secretário protagonizou a adoção firme de critérios técnicos para o preenchimento de cargos nos consórcios de saúde, apesar das pressões contrárias de prefeitos de municípios. Novas regras vetavam indicações políticas nas autarquias. A decisão foi tomada pela Sesa após casos de irregularidades nos consórcios virem à tona.

Também sob a gestão de Cabeto, o Governo passou a apostar com mais força na inovação do setor da saúde. O então secretário chegou a projetar em 2019 a intenção de, a partir dos Polos de Saúde do Porangabussu e do Eusébio, informatizar e implantar o registro eletrônico de saúde em todas as unidades de atendimento do Estado, nos quatro anos seguintes.

Histórico

1990-2001

Cabeto se gradua em Medicina na Universidade Federal do Ceará (UFC) em 1990. Em 1998, o médico fez treinamento em suporte avançado de vida pela Sociedade Brasileira de Cardiologia- Funcor. De 1996 a 2001, faz doutorado em Cardiologia pela Universidade de São Paulo. 

2002

Cabeto passa a ser professor adjunto na Universidade Federal do Ceará (UFC). Ele era docente substituto na  universidade desde 1999. O médico acumula extenso currículo acadêmico, com trabalhos científicos publicados em periódicos nacionais e internacionais, como o Journal American College of Cardiology e o International Journal of Cardiology

2003

No Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), da Universidade Federal do Ceará, em Fortaleza, Cabeto foi diretor de unidade, diretor médico e chefe do Serviço de Cardiologia.

Janeiro de 2019 

Anunciado como novo secretário da Saúde para o segundo mandato de Camilo Santana (PT), Cabeto disse na época que o maior desafio seria "mudar a metodologia de gestão, redefinindo a secretaria em termos de metodologia de trabalho nas áreas prioritárias”.

Abril e maio de 2019 

Cabeto admite falhas em modelo de gestão de consórcios de saúde no Estado e promete reestruturação, priorizando critérios técnicos. Relatórios do Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontaram irregularidades em prestação de contas de todos os consórcios do Estado para 2017.  Mesmo sob pressão de prefeitos,  Cabeto reafirma que critérios técnicos para indicação de presidentes de consórcios é "inegociável". 

Janeiro de 2020

A Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) cria durante reunião com os prefeitos, um grupo de trabalho para discutir os consórcios de saúde no Estado. Iniciativa representou um recuo diante das expectativas do Governo em convencer os gestores municipais da necessidade das mudanças profundas proposta pela pasta e publicadas em decreto no Diário Oficial do Estado no último mês de dezembro.

Fevereiro de 2020

Cabeto garante que vai realizar o edital para a seleção de gestores dos consórcios que administram policlínicas e os Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) no Interior. Afirmativa veio um dia após a suspensão do edital pelo Tribunal de Contas do Estado Ceará (TCE-CE).

Março a dezembro 2020

Cabeto ganha protagonismo na gestão da pandemia de Covid-19 ao lado do governador Camilo Santana (PT). O secretário é presença constante nos anúncios de novos decretos estaduais e nos anúncios de medidas mais rígidas, a exemplo dos dois lockdowns. Didático, o secretário explica detalhadamente indicadores e argumentos que embasam decisões do governo durante lives semanais. 

Agosto de 2021

Governador Camilo Santana (PT) anuncia saída de Cabeto da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa). O substituto ainda não foi anunciado.  

colaborou Roberto Araújo/Data.doc O POVO

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ministério credencia bancos para pagamento de servidores federais

Economia
14:44 | Ago. 17, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Servidores públicos federais poderão ter mais opções de bancos para receber o salário. O Ministério da Economia (ME) publicou hoje (17) o edital n° 3/2021 para credenciar instituições bancárias interessadas em prestar serviços relativos à folha de pagamento dos servidores públicos federais.

Segundo o ministério, com mais opções, será possível escolher o banco que oferece melhores taxas e serviços.

De acordo com a Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do ME, o credenciamento poderá gerar receitas de R$ 5,45 bilhões aos cofres públicos, durante cinco anos. Além disso, servidores dedicados às atividades de pagamento poderão ser deslocados para outras áreas de atuação, inclusive de atendimento direto aos cidadãos.

Ao realizar esse credenciamento, o governo repassará o serviço aos bancos participantes, que realizarão o pagamento dos servidores. Dessa forma, os bancos podem oferecer outros serviços a esses clientes, como consignado em folha, por exemplo.

Segundo o edital de credenciamento, as instituições poderão prestar serviços de pagamento no Brasil dos valores líquidos da folha salarial e outras indenizações. Além dos servidores ativos e inativos, os serviços também poderão ser prestados para pensionistas, estagiários do Poder Executivo Federal e anistiados políticos civis.

O ministério acrescenta que, além de realizar o pagamento de salários e outras indenizações, outro objetivo do credenciamento é modernizar cada vez mais o processo de prova de vida anual, com requisitos que fomentem o uso de novas tecnologias.

De acordo com o ministério, o credenciamento ficará aberto por tempo indeterminado para que a administração pública possa credenciar as instituições que atenderem às condições estabelecidas no edital.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Polícia faz operação contra milícia que atua na Baixada Fluminense

Geral
14:44 | Ago. 17, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Agentes da Polícia Civil do Rio de Janeiro fizeram hoje (17) uma operação para cumprir 18 mandados de prisão contra suspeitos de integrar uma milícia que atua em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Entre os alvos da ação de hoje estão policiais militares.

Até o fim da manhã de hoje, oito pessoas haviam sido presas, de acordo com a Polícia Civil.

Segundo informações da Polícia Civil, o grupo é suspeito de cobrar taxa de segurança de moradores, explorar sinal clandestino de TV a cabo e internet pirata. Eles atuavam em cinco condomínios localizados no bairro de Nossa Senhora do Carmo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags