PUBLICIDADE
Notícias

Ministério da Saúde confirma 16 casos da Febre Chikungunya

De acordo com a entidade, foram detectados dois casos no Amapá e 14 na Bahia

18:03 | 23/09/2014
NULL
NULL

Através da realização de exames laboratoriais, foram confirmados 16 casos de Febre Chikungunya no Brasil, segundo informou o Ministério da Saúde. Dois dos casos autóctones (dentro do mesmo território) da Febre Chikungunya ocorreram no Oiapoque (Amapá), 14 no município de Feira de Santana (Bahia), e outros casos suspeitos estão sendo investigados.

Neste ano, o Ministério da Saúde também registrou 37 casos importados, trazidos por que viajou para países em que pode ocorrer a transmissão da doença. Cabe ressaltar, entretanto, que estas 16 pessoas infectadas não possuem registro de viagem internacional para países com transmissão da Febre. 

Equipes do Ministério da Saúde já estão reunidas no Amapá e na Bahia, trabalhando em conjunto com as respectivas secretarias estaduais de Saúde. Fazem parte do trabalho a intensificação de ações de prevenção e vigilância da Febre Chikungunya. Além da orientação de profissionais da saúde quanto ao manejo clínico da doença, serão implementadas ações para reduzir com rapidez a população dos mosquitos transmissores, sendo esta última a medida básica de prevenção.

A doença

A Febre Chikungunya é causada por um vírus do gênero Alphavirus, transmitida por mosquitos do gênero Aedes. Febre alta, dor muscular e nas articulações, cefaleia e exantema são sintomas da doença que costumam durar de três a 10 dias. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, a letalidade da Febre é rara e menos frequente que nos casos de dengue. O tratamento para combater os sintomas é feito com analgésico (paracetamol), hidratação adequada e repouso.

Incidência

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a partir do final de 2013 diversos países da América Central e da América do Sul registraram surtos de Chikungunya, inclusive os que fazem fronteira ao norte com o Brasil. O fato se torna propício de ocorrer nestes lugares, considerando que os mosquitos transmissores da doença são muito disseminados em todas as áreas tropicais do mundo.

Redação O POVO Online

TAGS