PUBLICIDADE
Notícias

Planalto edita perfis e critica jornalistas na Wikipédia

Artigos de Míriam Leitão e Carlos Alberto Sardemberg são editados, a partir de computador do Palácio do Planalto, com críticas dirigidas aos jornalistas

22:45 | 08/08/2014
NULL
NULL
Os perfis, na Wikipédia, dos jornalistas Carlos Alberto Sardenberg, da CBN e da Rede Globo, e Míriam Leitão, colunista do jornal O Globo, foram alterados, com críticas, a partir de computadores conectados à rede do Palácio do Planalto. O rastreamento pode ser feito pelo IP, que é uma espécie de identidade virtual.

O IP 200.181.15.10, que é o da Presidência da República, foi usado em maio de 2013 na enciclopédia colaborativa, no dia 10, às 16h43min, e em 13 de maio, às 18h32min e às 18h50min, para publicar críticas contra Míriam Leitão, associando-a ao banqueiro Daniel Dantas e classificando as analises da jornalista como “desastrosas”.

“Míriam Leitão fez a mais corajosa e apaixonada defesa de Daniel Dantas, ex-banqueiro condenado por corrupção entre outros crimes contra o patrimônio público. A forma como Míriam Leitão se envolveu na defesa de Dantas chamou a atenção de Carlos Alberto Sardenberg, seu companheiro na CBN, para quem a jornalista estava diferente naqueles dias. Para Míriam Leitão, apesar do vídeo que flagrava o suborno a um delegado da Polícia Federal, a prisão de Dantas não se justificava, posto que se tratava de coisas do passado”, dizia um trecho do artigo.

“Um dos maiores erros de previsão ocorreu durante a Crise Financeira Internacional. Em 29/06/2009, Míriam Leitão escreveu o seguinte sobre a previsão de crescimento do Ministro Guido Mantega de 4,5% do PIB de 2010: ‘Ele fez uma afirmação de que em 2010 o Brasil está preparado para crescer 4,5%. É temerário dizer isso’. Contrariando o pessimismo de Míriam Leitão, o Brasil cresceu 7,5% naquele ano”, dizia outra publicação.

O mesmo IP também alterou o perfil de Carlos Alberto Sardemberg, no dia 10 de maio, às 12h51min, e no dia 13 do mesmo mês, às 14h31min. Aproveitando o texto já existente, em que dizia que o jornalista era um forte crítico das políticas econômicas de Dilma e Lula, o responsável pela publicação apenas incluiu um texto.

“... principalmente em relação aos cortes de juros promovidos nesses governos. É irmão de Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban, instituição que tem grande interesse na manutenção de juros altos no Brasil, uma medida geralmente defendida também por Carlos Alberto Sardenberg em suas colunas. Já cometeu erros notáveis em suas previsões, como afirmar que ‘(...)a economia mundial segue em marcha de sólido crescimento. Sólido porque não é nenhuma bolha financeira (...)’ um ano antes de estourar a crise mundial de 2008”, dizia.

Para, em outra publicação atacar o âncora da Rádio CBN e da TV Gobo: “A relação familiar denota um conflito de interesse em sua posição como colunista econômico”.

Em entrevista ao Globo, os jornalistas comentaram o fato. Míriam afirmou que as publicações eram mentirosas e condenaram o uso de recursos e funcionários públicos para ataques a jornalistas. Sardemberg reafirmou não concordar com a política econômica do atual governo e condenou o uso de equipamento do governo para uma prática tão “imoral e antiética”.

“É mentira que eu tenha defendido Daniel Dantas. Acho que é espantoso que um órgão público, ainda mais o Palácio do Planalto, use recursos e funcionários públicos para fazer esse tipo de ataque a jornalistas, quando deveria estar dedicado às questões de Estado”, disse Míriam Leitão.

“Minhas opiniões são sempre muito claras. A política do Banco Central tem sido muito errática e sem uma lógica, tanto é que fizeram uma redução de juros forte e, depois, tiveram que subir, então, é óbvio que está errado. É evidente que minha posição é claramente crítica a esse governo. Esse é um debate de ideias, agora dizer que, porque meu irmão trabalha na Febraban, sou lacaio dos bancos é uma canalhice, uma baixaria. É imoral, é antiético, porque você coloca no perfil uma ilação. Usando um equipamento do governo, se faz uma ilação que não pode ser feita”, afirmou Carlos Alberto Sardemberg.

O Planalto argumentou que “o número do protocolo de internet (IP) citado pela reportagem é o endereço geral do servidor da rede sem fio do Palácio do Planalto. Isso significa que qualquer pessoa que utilizou essa rede via internet móvel terá como endereço de saída este número geral de IP. Por isso, não é possível apontar com segurança a identidade de quem alterou os textos citados pela reportagem a partir deste número de IP em maio de 2013”.

Entidades ligadas ao jornalismo se pronunciaram sobre o caso. Maria José Braga, vice-presidente da Federação Nacional dos Jornalistas, cobrou apuração e punição ao responsável. Outros órgãos, como Abert, ANJ e ABI divulgaram notas condenado as edições.

Redação O POVO Online

TAGS