PUBLICIDADE
Notícias

Vacina contra hepatite A passa a ser oferecida pelo SUS

A imunização será direcionada às crianças de 12 a 23 meses

11:48 | 29/07/2014

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, e o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, anunciaram, nesta terça-feira, 29, a introdução da vacina contra hepatite A no Calendário Nacional de Vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS). As doses são direcionadas às crianças de 12 a 23 meses e já foram distribuídas para postos de saúde de todo o País. "Completa-se um ciclo muito importante, pois o País agora tem todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em seu calendário, de forma gratuita", afirmou Chioro.

 Até então, as doses só eram oferecidas nos postos particulares. “A introdução da vacina permite tanto que seja uma resposta às ações que já temos no Brasil, quanto introduzir em áreas sem este tratamento”, disse Jarbas Barbosa.

 A vacina é produzida nacionalmente e a meta é atingir 95% do público-alvo, composto por 2,9 milhões de crianças, de 1 ano até menores de 2.

Dia Mundial de Luta contra as Hepatites

Na última segunda-feira, 27, foi comemorado o Dia de Luta contra as Hepatites Virais, com o objetivo de reforçar a importância da divulgação das campanhas de diagnóstico e prevenção da doença. No vírus A, a transmissão é fecal-oral e ocorre principalmente por meio de alimentos e água contaminados. Apesar de ser o único tipo de hepatite que não se torna crônico, há casos em que o paciente morre por insuficiência hepática. Foram 61 mortes de 1999 a 2012 pela doença. "Temos convicção que vamos reduzir 64% dos casos, investindo no saneamento básico e estendendo o tratamento por meio de vacinas", ressalta o ministro.

 Nas crianças, a hepatite A pode não manifestar sintomas. Em uma minoria de casos, há febre, dores musculares, vômito, náuseas, cansaço e mal-estar – sinais semelhantes aos de uma virose. Como elas constituem o grupo com maior incidência da doença, é importante que seu filho esteja protegido. Para evitar a doença, é importante lavar sempre as mãos, inclusive dos bebês, e higienizar os alimentos são outras formas de blindagem.

 

Portal Brasil

TAGS