PUBLICIDADE
Notícias

Mais interação digital e social

Voltar a se comunicar com parentes e estreitar laços sociais em aplicativos de conversa e redes sociais pode ajudar a combater o isolamento e a depressão

17:00 | 20/05/2017
NULL
NULL

[FOTO1] 

“A coisa mais importante que tenho é minha família, e o celular me ajuda a estar perto deles de certa forma”. A afirmação é da aposentada Marinete Pires. Aos 76 anos, ela não desgruda do smartphone para quase nada e só deixa o aparelho de lado enquanto assiste à missa pela televisão. Há três anos, usa o celular para as duas coisas de que mais gosta: conversar com a filha e com amigas que moram longe e guardar fotos dos netos.

Foi a partir do conselho de um sobrinho que dona Marinete criou coragem de, enfim, trocar o celular que só fazia ligações por aquele que a conecta com o mundo. “Vi um sobrinho meu mexendo no smartphone, e me surpreendi porque ele, muito pequeno, sabia mexer em tudo. Aí, outro sobrinho me disse: ‘Pode mexer. Mexa que só se aprende assim’. Tomei pra mim o conselho dele e foi o que eu fiz”, relembra. Desde então, após as aulas com as netas para tirar as dúvidas, o WhatsApp e o Facebook são seus aplicativos preferidos.

Dona Marinete todos os dias manda bom-dia para uma amiga de Goiás, se inteira da vida da irmã mais nova que mora na Região Metropolitana de Fortaleza e faz chamadas de vídeo para conversar com a caçula Keila, que mora no Rio de Janeiro.

“Ajuda muito a matar a saudade dela. A gente se liga pelo WhatsApp, eu vejo ela, ela me vê. É muito melhor do que se fosse só a voz. Um dia, cortei o cabelo e eu não gostei muito. Fiquei insegura. Assim que cheguei em casa, tirei uma foto e mandei pra ela. Ela respondeu: ‘Mãe, tá bonito, tá bem melhor’. Fiquei melhor. O celular é uma companhia quando eu tô só”, conta. O desafio agora é pedir o Uber pelo aplicativo e comprar as passagens de avião.

Essa interação e os vínculos familiares que se estreitam intermediados pela internet, conforme a neuropsicóloga Amanda Barroso de Lima, são importantes para tecer ou religar as relações sociais. “Ao longo da vida, o idoso vai perdendo os amigos, às vezes perde o companheiro, os filhos casam e saem de casa, ele se aposenta. Tudo isso, em certo ponto, pode significar a perda de sociabilidade.

A internet, o contato com diferentes gerações, o reencontro com amigos, ver-se acompanhando a vida de entes queridos faz com que o idoso sinta que, de alguma forma, ainda participa da sociedade”, detalha. A sensação de pertencimento leva ao bem-estar que ajuda a retirar o idoso do isolamento.

Vigor, prazer e vontade de viver são sentimentos que podem estar associados à sociabilidade, para a terapeuta ocupacional Lucíola Bonfim. “Sentir-se ouvido, saber que alguém ali do outro lado interage, desperta para um mundo que ele desconhecia. No momento em que ele interage, e essas pessoas retornam essa comunicação, ele sente que não está parado no tempo”, diz Lucíola.

TAGS