Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Olimpíada: Brasil perde para Alemanha e está eliminado no handebol masculino

Em confronto contra a seleção alemã, europeus superam o Brasil pelo placar de 29 a 25
Autor - Gabriel Borges
Foto do autor
- Gabriel Borges Autor
Tipo Noticia

O Brasil entrou em quadra pela quinta rodada do handebol masculino, nas Olimpíadas de Tóquio, sabendo que só uma vitória contra a Alemanha seria capaz de levar a equipe brasileira às quartas de final do torneio. Entretanto, os europeus foram superiores e venceram a partida por 29 a 25.

Com a derrota para os alemães, o Brasil se despede dos Jogos de Tóquio com quatro derrotas (Noruega, França, Espanha e Alemanha) e uma vitória sobre a seleção argentina.

O Brasil deixa a competição ainda na fase de grupos. O resultado conquistado foi abaixo do desempenho registrado nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, quando os brasileiros caíram nas quartas diante da França.

Além da eliminação brasileira, o jogo ainda foi marcado pela contusão do goleiro Ferrugem, titular e umadas referências da Seleção. A gravidade da lesão ainda não foi divulgada pela comissão médica da equipe.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Série D: 100% em casa, Caxias recebe invicto Joinville pelo Grupo 8

Esportes
2021-08-01 07:23:15
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Vice-líder do Grupo 8 da Série D do Campeonato Brasileiro, o Joinville-SC encara o Caxias-RS neste domingo (1° de agosto), no estádio Centenário, em Caxias do Sul (RS), pela nona rodada da competição. A bola rola às 15h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo na TV Brasil.

O JEC está invicto e soma 16 pontos, quatro a mais que os gaúchos - que, por sua vez, venceram os três jogos que disputaram como anfitriões. As duas equipes vêm de empates na rodada passada. Os catarinenses ficaram no zero com o Esportivo-RS na Arena Joinville. Mesmo placar da igualdade entre o time grená e o Marcílio Dias-SC no Gigantão das Avenidas, em Itajaí (SC).

A onda de frio que atinge o Sul do país desde a noite da última quarta-feira (28) deixou o gramado do Centenário tomado por neve na madrugada de quinta-feira (29). Vale lembrar que, em maio, o Caxias realizou a substituição da grama-bermudas - utilizada no verão - pelo azevém, tipo de planta resistente às baixas temperaturas.

"Enquanto você dormia dia 9": Ouro na ginástica, bronze na natação e cearense classificada

RESULMO DA MADRUGADA
2021-08-01 07:20:49
Autor Gabriel Borges
Foto do autor
Gabriel Borges Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

As Olimpíadas de Tóquio 2021 chegaram ao nono dia, neste domingo, 1º. O Brasil conquistou mais duas medalhas nos Jogos, com a conquista do ouro de Rebeca Andrade, na ginástica, e do bronze de Bruno Fratus, na natação. No vôlei de quadra, Brasil e França fizeram um jogo emocionante no masculino. Já na areias,Ana Patrícia e Rebecca (do Ceará) avançaram para as quartas de final do torneio.

O POVO traz um resumo do que aconteceu entre a noite de sábado, 31, e a madrugada de domingo, 1º, enquanto você dormia.

O dia 9 de competições ainda contou com nova desistência de Simone Biles, derrota de Agatha e Duda no vôlei de praia e Robert Scheidt sem medalha na vela.

Ouro na ginástica

A ginasta brasileira Rebeca Andrade conseguiu mais um grande resultado para a ginástica do Brasil, e conquistou a medalha de ouro na final do salto das Olimpíadas de Tóquio, na manhã deste domingo, 1º. Com o resultado, Rebeca tornou-se a primeira ginasta brasileira a subir no lugar mais alto do pódio em uma Olimpíada

Bronze na natação

O brasileiro Bruno Fratus entrou na piscina na noite deste sábado, 31, para a disputa da final dos 50 metros rasos. Ele conquistou a medalha de bronze após tempo de 21s57.

Jogaço na quadra

O Brasil entrou em quadra na noite desta sábado, 31, pela última partida da fase de grupos do vôlei masculino nas Olimpíadas de Tóquio. Em um jogo equilibrado e de várias viradas, os brasileiros superaram a França por 3 sets a 2, com parciais de 25-22, 37-39, 25-17, 21-25 e 20-18.

Cearense avança no vôlei de praia

A dupla brasileira Ana Patrícia e Rebecca (do Ceará) entrou em quadra na noite deste sábado, 31, e teve as chinesas Wang e Xia como adversárias pelas oitavas de final do vôlei de praia nas Olimpíadas de Tóquio. As brasileiras venceram por 2 sets a 0, com placares de 21 a 14 e 23 a 21.

Fim da linha para Ágatha e Duda

A dupla brasileira Agatha e Duda foi eliminada pelas alemãs Ludwig e Kozuch nas oitavas de final do vôlei de praia nas Olimpíadas de Tóquio. As brasileiras perderam por 2 sets a 1, com placares de 21/19, 19/21 e 16/14. Dessa forma, Agatha e Duda estão fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Mais uma desistência de Biles

Após desistir da participação nas finais por equipes, no salto e nas barras assimétricas na ginástica artística das Olimpíadas de Tóquio, a estadunidense Simone Biles anunciou que também não atuará na prova decisiva do solo. O motivo para a ausência é o mesmo em todas as competições, a priorização da saúde mental.

Robert Scheidt sem medalha

Dono de cinco medalhas olímpicas, Robert Scheidt não conseguiu o pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Neste domingo, 1º, o brasileiro ficou apenas em nono lugar na medal race, a última regata da classe laser da vela, desempenho que não foi suficiente para alcançar o pódio.

Eliminações no Atletismo

Na noite deste sábado, 31, mais atletas do Brasil participaram de provas do atletismo nas Olimpíadas de Tóquio. Alguns deles foram eliminados em fases preliminares e não avançaram às finais de suas competições. Simone Ferraz, Tatiane Raquel, Elaine Martins e Lucas Carvalho deixam os Jogos.

Estreia e eliminação na luta olímpica

O sábado, 31, marcou a estreia dos brasileiros na luta olímpica. No feminino, Aline Silva enfrentou a turca Yasemin Adar e acabou derrotada por 6 a 0. No masculino, Eduard Soghomonyan caiu para o alemão Eduard Popp por 2 a 0. Eles estão eliminados das Olimpíadas de Tóquio.

Ouro e recorde para Caeleb Dressel

A prova que rendeu a medalha de bronze para o brasileiro Bruno Fratus, final dos 50m livres, também marcou mais um feito deCaeleb Dressel. O nadador americano conquistou mais um ouro na piscina e de quebra bateu o recorde olímpico ao terminar a prova com o tempo de 21s07.

Derrota no tênis de mesa

O Brasil abriu neste sábado, 31, o tênis de mesa feminino em equipe. Em confronto melhor de cinco, as brasileiras perderam para o time de Hong Kong por 3 a 1 e foram eliminadas no ginásio metropolitano de Tóquio.

Primeiro caso de doping

O velocista queniano Mark Odhiambo testou positivo para testosterona e seus metabólitos (esteroides). Trata-se do primeiro caso de doping detectado nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A informação foi divulgada pela Agência de Controles Internacionais (ITA, na sigla em inglês) em nota divulgada neste sábado, 31.

Hebert Conceição garante medalha no boxe

Hebert Conceição venceu mais uma luta na manhã deste domingo, 1º, o brasileiro derrotou o cazaque Abilkhan Amankul, em duelo válido pelas quartas de final da categoria até 75kg do boxe nas Olimpíadas de Tóquio. Com a vitória, Conceição garantiu, pelo menos, a medalha de bronze.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

É ouro! Rebeca Andrade conquista mais uma medalha na ginástica

MAIS UMA MEDALHA
2021-08-01 06:31:00
Autor Gabriel Borges
Foto do autor
Gabriel Borges Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

A ginasta brasileira Rebeca Andrade conseguiu mais um grande resultado para a ginástica do Brasil, e conquistou a medalha de ouro na final do salto das Olimpíadas de Tóquio, na manhã deste domingo, 1. O resultado trouxe mais uma medalha para a paulista nesta edição dos Jogos, que já havia conquistado a prata no individual geral.

Aos 22 anos, Rebeca segue fazendo história em Tóquio. A medalha foi garantida após dois saltos muito bem avaliados pelos árbitros da categoria. A brasileira obteve uma média de 15.083.

Com o resultado, Rebeca Andrade tornou-se a primeira ginasta brasileira a subir no lugar mais alto do pódio em uma Olimpíada, além ser a primeira brasileira a ganhar duas medalhas na mesma Olimpíada.

Rebeca foi a única ginasta a conseguir uma média superior a 15,000 na final do salto. O pódio foi completado pela americana Mykayla Skinner, que conquistou a prata com a média de 14,916. Já a sul-coreana Seojeong Yeo ficou com o bronze, ao terminar a final com uma média de 14,733.

Rebeca Andrade ainda disputará a final do solo na segunda-feira, 2. A prova deverá ser realizada no início da manhã, a partir das 5h57. Já na próxima terça-feira, 3, será a vez de Flávia Saraiva tentar uma medalha na trave de equilíbrio.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Olimpíadas de Tóquio: Agatha e Duda são eliminadas no vôlei de praia

FIM DA LINHA
2021-08-01 06:08:55
Autor Gabriel Borges
Foto do autor
Gabriel Borges Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

A dupla brasileira Agatha e Duda entrou em quadra no início da manhã deste domingo, 1, e teve as alemãs Ludwig e Kozuch como adversárias pelas oitavas de final do vôlei de praia nas Olimpíadas de Tóquio. As brasileiras perderam por 2 sets a 1, com placares de 21/19, 19/21 e 16/14. Dessa forma, Agatha e Duda estão fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Mais cedo, a outra dupla brasileira no vôlei de praia feminino conseguiu avançar às quartas de final da competição. Ana Patrícia e Rebecca (do Ceará) bateram as chinesas por 2 sets a 0, com placares de 21 a 14 e 23 a 21. Elas enfrentarão oponentes suíças, já duas duplas deste país europeu se enfrentam nas oitavas. Heidrich e Verge-Drepre ou Huberli e Betschart terão as brasileiras pela frente nas quartas.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Luisa Stefani e Laura Pigossi faturam improvável bronze para o Brasil no tênis

Olimpíadas de Tóquio
2021-08-01 00:30:00
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Brasil conquistou ontem aquele que já certamente será a medalha mais improvável nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Últimas duplistas a conquistarem vaga na Olimpíada — e com ranking combinado mais baixo entre as participantes — as tenistas Luisa Stefani e Laura Pigossi faturaram o bronze após vitória sobre as russas Veronika Kudermetova e Elena Vesnina por 2 sets a 1, com parciais de 4/6, 6/4 e 11/9, em 2h11min de jogo.

Luisa e Laura alcançaram, assim, a melhor marca do tênis brasileiro na história da Olimpíada. Antes, o país só tinha um quarto lugar, em Atlanta-1996, com Fernando Meligeni na chave de simples. 

A explosão de emoção das duas tenistas após a impressionante virada sobre as russas, vice-campeãs em Wimbledon neste ano, se explica pela maneira como as duas alcançaram tal feito. A dupla só ficou sabendo que participaria da Olimpíada no Japão de última hora. Isso porque elas foram inscritas no torneio por um dirigente da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) e ficaram na lista de espera. Somente depois de desistências na chave é que elas foram confirmadas nos Jogos, já a oito dias do início do torneio de duplas em Tóquio.

Luisa mora nos Estados Unidos e Laura, na Espanha. Elas não jogam juntas e só foram ganhando entrosamento durante as partidas no Japão. Atual número 23 do mundo nas duplas, Luisa é a atleta mais bem ranqueada do Brasil desde que o sistema da WTA foi criado, em 1975. Ela só começou a competir no circuito profissional em 2018, já com 21 anos, após jogar o circuito universitário dos Estados Unidos.

Neste sábado, Luisa e Laura não começaram o jogo bem e permitiram que a dupla russa vencesse os três primeiros games. Com um ritmo muito forte apesar do calor intenso e mais agressividade, Veronika Kudermetova e Elena Vesnina dominaram o início do duelo com certa facilidade. Quando Luisa e Laura acertaram o jogo e começaram a reagir, já era tarde demais. Assim, a primeira parcial terminou em 6/4.

As brasileiras voltaram melhor para o segundo set e, com o mesmo poder de reação que já haviam apresentado nas rodadas anteriores, conseguiram assumir o controle da partida. Quebraram o serviço das adversárias e tiveram equilíbrio para manter a vantagem até fechar em 6/4.

No tie-break, porém, voltaram a repetir os erros do início do jogo e as russas abriram 7 a 2. Mas com uma virada impressionante e cheia de emoção, Luisa e Laura fecharam em 11 a 9 para escrever o mais belo e improvável capítulo da história do tênis brasileiro nos Jogos Olímpicos.

Na campanha do bronze nos Jogos de Tóquio, a dupla estreou com vitória sobre as canadenses Gabriela Dabrowski e Sharon Fichman. Na sequência, superaram as tchecas Karolina Pliskova e Marketa Vondrousova. Nas quartas de final, elas venceram as americanas Bethanie Mattek-Sands e Jessica Pegula. Nas semifinais, no entanto, acabaram caindo diante das suíças Belinda Bencic e Viktorija Golubic. Foram, então, para a disputa do terceiro lugar com as russas Veronika Kudermetova e Elena Vesnina.

Novak Djokovic decepciona no tênis masculino 

NOVAK Djokovic descontou frustração na própria raquete
Foto: Tiziana FABI / AFP
NOVAK Djokovic descontou frustração na própria raquete

Grande nome do torneio olímpico — e do circuito mundial — o sérvio Novak Djokovic acumulou frustrações e decepcionou fãs pelo baixo desempenho e pelo mau comportamento. 

Depois de cair nas semifinais ante o alemão Alexander Zverev, na sexta-feira, o número 1 do mundo decidiu o bronze contra o espanhol Pablo Carreno Busta. Derrotado, descontou a raiva em raquetes quebradas, mostrando completo descontrole. Paradoxalmente, ele foi um dos nomes mais críticos às desistências de Simone Biles na ginástica.

"Sem pressão não há esporte profissional. Se você quer estar no topo do jogo, é melhor começar a aprender a lidar com a pressão. (...) Dentro e fora do campo, todas as expectativas. Aprendi a desenvolver um mecanismo para gerir isto, para que não me incomode mais, não me canse”, disse. A ginasta norte-americana enfrenta problemas psicológicos e "twisties", efeitos colaterais ligados a acrobacias que criou e aperfeiçoou.

Tentando completar o "Golden Slam" (ano com quatro títulos de grand slams e o ouro olímpico, feito só conquistado pela alemã Steffi Graf), Djoko parou em Zverev. Ele ainda tinha outra chance de medalha — um bronze nas duplas mistas, ao lado de Nina Stojanovic —, mas desistiu alegando lesão no ombro.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags